LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

O dilema da direita


A pobreza em Cuba



Às vezes me perguntam sobre o que vi de pobreza em Cuba. E eu acho que essa é uma pergunta curiosa porque me fez pensar sobre o que é pobreza. Ora, no nosso contexto brasileiro, riqueza é uma associação de bens materiais a uma situação de segurança e bem estar. Pobreza envolve muito mais do que a falta de bens. Pobreza envolve morar num local arriscado, conviver com deslizamento de morros, tiroteios,com o medo de ser desalojado. Envolve estar mais vulnerável a estupros, à violência, à exploração sexual. Envolve perder horas apertado em um transporte público caro e de má qualidade. Muitas vezes envolve passar fome,envolve se desesperar por não ter acesso à medicamentos e cuidados médicos. Envolve não ter lugar adequado para deixar seu filho. 

E principalmente, pobreza na sociedade de consumo está associada à baixa auto-estima. Os ricos dizem que são ricos porque eles ou os pais deles trabalharam, fizeram esforço, logo se você é pobre é por que não trabalhou, não é inteligente, não é esforçado. Uma ideia tristemente enraizada.

E eu me lembro dessa foto (acima) numa comunidade rural de Havana, As crianças dormindo na creche. Crianças com mais de um ano, porque lá a licença materna ou paterna é de um ano. Crianças que poderão praticar esportes, dançar ballet, independentemente dos pais terem dinheiro para pagar escolinha. Lembro dos idosos nas casas de abuelos compartilhando tantas lembranças. Lembro da tranquilidade com que a gente andava à noite na estrada.

Então quando me perguntam se em Cuba tem muita pobreza eu respondo que na verdade o que Cuba tem é outro tipo de riqueza.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

A História não contada dos Estados Unidos

Resultado de imagem para Smedley Butler

Ninguém teve mais experiência direta na intervenção em outros países do que Smedley Butler, naquele momento, general de divisão do Corpo de Fuzileiros Navais. Ele era adorado por seus homens que começaram a chamá-lo de "Old Gimlet Eye" [velho de olhar penetrante] depois de ele ter sido acometido por uma febre tropical em Honduras que deixou seus olhos injetados. E, no final de sua carreira longa e cheia de condecorações, Butler refletiu sobre seus anos na ativa. 

Em seu livro, War is a racket, ele revelou: 

"Passei 33 anos e quatro meses no serviço ativo como membro do Corpo de Fuzileiros Navais, a força militar mais ágil dos Estados unidos. Servi em todos os postos, desde segundo-tenente até general. E, nesse período, passei a maior parte do meu tempo como capanga de alto nível para as grandes empresas, para Wall Street e para os banqueiros. Em resumo, eu era um escroque, um gângster a serviço do capitalismo. Na ocasião, suspeitei que fizesse parte de um negócio ilícito. Agora, tenho certeza. Como todos os membros da profissão militar, jamais tive um pensamento próprio até deixar o serviço. [...] Em 1914, ajudei a tornar o México, principalmente Tampico, um lugar seguro para os interesses petrolíferos norte-americanos. Ajudei a converter o Haiti e Cuba em lugares decentes para os rapazes do National City Bank poderem auferir lucros. Ajudei no estupro de meia dúzia de repúblicas centro-americanas em benefício de Wall Street. A folha corrida de negociatas é longa. De 1909 a 1912, ajudei a 'limpar' a Nicarágua em nome dos interesses da casa bancária internacional dos Brown Brothers. Em 1916, na República Dominicana, trabalhei em favor dos interesses açucareiros norte-americanos. Na China, ajudei a assegurar que a Standard Oil continuasse a agir sem ser molestada. Naqueles anos, fazia, como as pessoas que agem nas sombras diriam, negociatas excelentes. Olhando para trás, acho que poderia ter dado algumas sugestões para Al Capone. O melhor que ele poderia fazer era explorar seu negócio ilegal em três distritos. Eu atuava em três continentes".

Ao longo dos anos, a franqueza custaria caro a Butler: ele foi preterido como comandante do Corpo de Fuzileiros Navais, que deixou em 1931 sob a sombra da discórdia.


(STONE, Oliver; KUZNICK, Peter. A História não contada dos Estados Unidos. Tradução: Carlos Szlak. São Paulo: Faro Editorial, 2015, pg. 23-24)

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

TRUMP E A DEMOCRACIA MADE IN USA

Donald Trump vence as eleições dos Estados Unidos

Por Itárcio Ferreira, em seu blog

Trump é igual a Hillary, que é igual a Obama, que é igual a Bush que é igual a toda quadrilha. Quem não rezar pela cartilha de Wall Street e do complexo industrial militar é convidado a sair de cena. Lembram de Kennedy? Aquele mesmo que apoiou e financiou o golpe fascista de 1º de abril de 1964. Obama, honrando a tradição, apoiou e financiou o golpe de Temer et caterva.

Donald Trump foi eleito ontem, 08/11/2016, presidente dos EUA, a maior potência bélica do mundo. O país mais agressivo e carniceiro da história mundial. A democracia made in USA mostra a sua verdadeira face: a viagem rumo ao fascismo. O capitalismo não é compatível com a verdadeira democracia.

Hitler, Mussolini e Temer não chegaram ao poder através do voto popular, o que é uma contradição aos princípios da chamada democracia ocidental ou estadunidense, “todo poder emana do povo”. Mas sim através de manobras escusas, ilegais e inconstitucionais, através de golpes, apoiados em instituições republicanas corroídas, acovardadas, cooptadas, a grande mídia, grandes empresários, etc. Trump chegou lá através do voto. Este fato é um marco  na história do colapso de um modelo falido de democracia representativa.

Seria a eleição de Trump um sinal de que este modelo se esgotou? Claro que não. Este sinal está aí faz tempo, só não enxerga quem não quer sair da caixinha, por interesse ou alienação. É que agora a coisa ficou clara, desenhada. Ninguém, a não ser com muita má-fé ou muito interesse vai negar tal marco histórico.

Não só nos EUA, que já elegeu outros Trumps, a exemplo de Reagan, Bush e Obama, mas também no Brasil, a exemplo de Collor e FHC II, o poder econômico é quem determina, no lugar do povo, para onde o pêndulo da vitória deve indicar o movimento não alternado.

A diferença entre Trump e Reagan, Bush, Obama, Collor, FHC II, Temer é o discurso. Trump diz tudo o que pensa, nem tem papas na língua e sabe que muitos ouvidos estão ansiosos por suas palavras, os outros são hipócritas, mas tão ou mais canalhas. Trump não se preocupa com as críticas de ninguém a sua verborragia fascista, racista, xenófoba, misógina. O seu discurso encontra um leito macio preparado na população que foi inflamada pelo ódio através de uma mídia canalha e monopolista, cá e lá. Quem acha que a mídia dos EUA é plural, se engana. Lá como cá existem as Globos golpistas. Vamos ler mais Noam Chomsky.

Mas, fica a pergunta: existem outras formas de se exercer a democracia? Existem sim, com certeza. Algumas que até nós desconhecemos historicamente, pois, poucas e selecionadas informações nos são repassadas sobre os países que estão fora do eixo dos EUA, Europa ocidental e Israel. Cito dois exemplos: a Venezuela e a ex-Líbia. Mas tudo que vai de encontro ao pensamento único é demonizado pela grande mídia hegemônica e cristã a serviço do capital.

Tanto na Venezuela quanto na ex-Líbia os conselhos populares tinham, ou têm, vez e voz. Na Venezuela existem cinco poderes republicanos: Executivo, Legislativo, Judiciário, Ministério Público e Conselhos Populares; na ex-Líbia, destruída e saqueada pelos EUA, Inglaterra e França, que dividiram o butim, existiam centenas de conselhos ou mini-congressos que tinham a última palavra sobre qualquer assunto, sendo suas decisões soberanas inclusive para o ex-presidente Kadafi.

Por coincidência, as formas de democracia que fogem ao modelo estadunidense foram implantadas em países, ou ex-países, como a Líbia, inimigas da grande mídia e dos EUA e seus lacaios aliados: Inglaterra, França e a Arábia Saudita, está última a pior e mais cruel ditadura existente hoje no planeta e aliada do Grande Satã.

A eleição de Trump não muda nada, tanto nos EUA quanto no mundo. A população estadunidense continuará a empobrecer; continuará a não ter um sistema de saúde pública; continuará sem vez e sem voz e sempre a serviço de Waal Street. As guerras de saque continuarão a acontecer; a onda de ódio, junto com o crescimento do fascismo, continuarão a aumentar, até que um tsunami nos conduzam a uma guerra mundial: ocidente versus Rússia e China ou a um mundo distópico dos nossos piores pesadelos.

Quem mada nos EUA não é o presidente eleito ou o congresso, os chefões são Wall Street e o complexo industrial militar, ou seja, dinheiro, guerras e drogas, todos os outros atores são apenas paus mandados, ou como diz o jornalista Paulo Nogueira, do DCM, fâmulos.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Professor Waldir Rampinelli: Donald Trump e o fim da democracia burguesa

DILMA E O GOLPE

Resultado de imagem para DILMA E ZE CARDOSO

Por Itárcio Ferreira, em seu blog

Um amigo, a quem muito considero, diante uma minha afirmação de que Dilma-2, era a principal culpada pelo golpe do impedimento, disse que minha análise era “reducionista”.

Vejamos dois cenários pré-golpe.

Não vamos aqui falar do “mensalão petista”, o começo de tudo, do golpe ao estado de exceção que se aprofunda cada dia mais diante da complacência das instituições corroídas da ex-república brasileira. O mensalão é da “ossada” de Lula.

Primeiro cenário: Dilma, diante da ameça do golpe; dos avanços seletivos, e fascistas, da lava jato; diante da perseguição a Lula, pelo juiz (sic) Moro, pelos procuradores (sic) federais, diante da omissão criminosa dos tribunais superiores e do STF; em conformidade com o seu discursos na reta final das eleições, convoca seus eleitores e toda a sociedade a reagirem ao eminente golpe, já testado em Honduras e Paraguai; convoca os movimentos sociais a saírem as ruas; determina seus ministros a tomarem todas as providências, dentro do permitido pelo estado democrático de direito, para que confrontem as ações ilegais de seus subordinados, mormente, o ministro da justiça a botar ordem na polícia federal, entre outras ações. Apesar de tudo, o golpe acontece.

Segundo cenário: Dilma faz de conta que todo corre na maior normalidade democrática, apesar dos fatos indicarem o contrário; o ministro da justiça, Zé Cardozo, idem. Jornalistas, cientistas sociais, políticos, juízes e procuradores democratas, movimentos sociais, sociedade civil, eleitores alertam para o golpe e pedem uma reação do governo, mas, nada. O golpe acontece.

No primeiro cenário a observação de que Dilma seria a maior culpada pelo golpe seria, não apenas, reducionista, mas, idiota, burra, pura má-fé.

No segundo cenário não. Apenas uma conclusão baseada nas ações golpista, anunciadas desde o julgamento do mensalão versus as não-reações do governo Dilma-2: governo omisso, covarde, falacioso – vide as promessas e discursos antes das eleições e as medidas neoliberais implantadas na prática, após as eleições.

É natural que quem se sente ameaçado reaja, é um instinto de sobrevivência. Repito: é natural.

Claro que os comandantes do golpe são os eua, interessados no nosso petróleo, nas nossas reservas de água e com o perigo que representaria um Brasil não subserviente aos seus interesses e integrado ao BRINCS. Blá, blá, blá, blá.

Claro que todos sabem quem são os empregados do Tio Sam aqui no Brasil, a grande mídia, os rentistas, igrejas neopentecostais, grande parte do judiciário, grande parte do ministério público, polícia federal, o STF, etc. Blá, blá, blá, blá.

Blá, blá, blá, blá, ou seja, todos sabiam que havia um golpe em andamento. 

Considerar reducionista a afirmação de que o governo Dilma-2 foi o maior culpado pelo seu impedimento, para mim, é uma argumentação falaciosa. Com todo o respeito e carinho pelos que pensam de forma diversa.

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Nunca dantes houve tantas ocupações

[PROGRAMA #27 DCM NA TVT] Miruna: "Meu pai foi preso porque era preciso ...

Sobre invasões e ocupações



Quando um país invade outro país dá-se o nome de invasão, correto?
Errado.

Quando um grupo de famílias realiza assentamentos em terras improdutivas dá-se o nome de ocupação, correto?

Errado.

De acordo com os pilantras da mídia, quando um país invade outro país dá-se o nome de incursão.

Veja-se o caso das invasões americanas e israelenses. 

E essa mesma mídia quando brasileiros ocupam terras improdutivas denomina o fato de invasão. Ou seja, quando você invade e arrasa um país e assassina sua população não realiza uma invasão, mas incursão. E quando você ocupa uma terra improdutiva para fazê-la produzir você não realiza uma ocupação, mas invasão.