LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

quarta-feira, 31 de julho de 2013

El reino bananero de España

 

 (O reizinho da Espanha ama os animais)

Fuente : Comiendo tierra e Nodo50

Por Juan Carlos Monedero

El primer encontronazo del Presidente Chávez con Bill Clinton tuvo lugar precisamente por culpa del espacio aéreo. Clinton agradecía a Chávez que, en nombre de la amistad entre los pueblos venezolano y norteamericano, y en virtud del Plan Colombia, autorizara a la fuerza aérea gringa sobrevolar territorio venezolano. A lo que Chávez contestó: "nada que agradecer Presidente, porque el pueblo venezolano reconoce igualmente la amistad del pueblo norteamericano que en virtud de las relaciones entre ambos pueblos y en aras del Plan Colombia permite a la fuerza aérea venezolana sobrevolar territorio norteamericano". Y hasta ahí podíamos llegar, pensó Clinton. Estos países bananeros…
Pero es que América Latina ya es otra. Decía el Che que la Organización de Estados Americanos era el Ministerio de Colonias norteamericano. Y por eso, con el impulso del corajudo Chávez, decidieron dotarse de instituciones regionales soberanas: UNASUR, CELAC, ALBA. Y hacía ahí camina ese continente. En el caso de Bolivia con la decisión de Evo Morales, quien no ha dudado en expulsar de su país a los norteamericanos realizando labores de espionaje. Como en Europa, vamos. Un continente soberano, digno, decente. Todo lo contrario de esta decadente Europa que, al tiempo que descubre que su amigo Estados Unidos tenía micrófonos hasta en los baños del Parlamento Europeo, le dice quién puede y quién no sobrevolar su propia espacio aéreo.

Somos una colonia norteamericana. ¿Será mejor asumirlo de una vez por todas? Lo entendió muy bien José María Aznar: ya que somos rehenes de los norteamericanos, hagámonos uno de ellos. Alguna migaja te cae de su banquete. Y mientras Europa se convierte de facto en una estrella más de la bandera, como Puerto Rico, si hablo con acento tejano y señalo hacia las montañas con el dedo mientras digo arrobado “Mountains, Mountains”, por lo menos me dejan poner los pies encima de la mesa y eructar como los de Kansas después de beberme una Coca-Cola.

América Latina ha empezado a ser librándose de las tutelas. Algo que no hemos hecho en Europa y, mucho menos, en España. Contamos con lengua de serpiente que la liberación de Europa de los nazis comenzó en el desembarco de Normandía, y ya se encargó Hollywood de hacerlo cierto. Pero la verdad es que la derrota del fascismo empezó con la debacle del 6º Ejército alemán en Stalingrado. Fue el ejército rojo el que liberó Europa. Claro está, salvo en España. Que Franco se quedaría para siempre. Para eso nos pusieron las bases de Torrejón, Rota, Morón y Zaragoza. Donde, seguramente, almacenan los micrófonos que luego siembran por Europa, su amiga, para espiarla.

Si España tiene un valor añadido es América Latina. Nos llamamos hermanos. Pero no dejamos que el hermano Evo Morales, Presidente Constitucional de Bolivia, sobrevuele territorio español. Lo detenemos como si fuera un delincuente. Lo registramos. Lo convertimos en sospechoso. Al final, de manera vergonzante, autorizamos el vuelo. Al igual que con las elecciones en Venezuela que ganó Maduro. Al final, como a la fuerza ahorcan, terminamos asumiendo lo que teníamos que haber hecho desde el principio. Quedamos con todo el mundo como gente de poco fiar. ¿Será verdad que nos parecemos a nuestros gobernantes?

El primer viaje que hizo Juan Carlos de Borbón después de sustituir a Franco en la jefatura del Estado fue a los Estados Unidos. Seguimos tutelados. Somos un vergonzoso Reino bananero. En el próximo viaje del monarca, su familia o el gobierno a la América del Sur, cuando los brindis y las palabras huecas de amistad entre los pueblos, alguien hará sonar una copa con una cucharilla, les interrumpirá y les recordará este gesto de inamistad, de vejación, de falta de soberanía. Igual al Rey lo más que se le ocurre es decir, achispado, ¿por qué no te callas? Ignorando que ese continente, a diferencia del nuestro, ha aprendido ya a hablar sin pedir permiso.

No sirve de mucho, pero otra España os pide disculpas.

terça-feira, 30 de julho de 2013

Más control de precios: Ley fijará precios máximos para los medicamentos


El costo de los medicamentos, desde una aspirina hasta una medicina contra el cáncer, tendrá un precio tope con la Ley del Medicamento, que fue
DOCU_GRUPO

El costo de los medicamentos, desde una aspirina hasta una medicina contra el cáncer, tendrá un precio tope con la Ley del Medicamento, que fue elaborada para que todos los fármacos sean accesibles para la población. Según el Ministerio de Salud, ya existe el acuerdo con los sectores involucrados.

La cartera de Estado y los sectores involucrados (profesionales en salud, importadores, laboratorios y cadenas de farmacias) tendrán la obligación, a través de una entidad reguladora, de fijar los precios máximos, con base en costos reales de materia prima y producto terminado, según el artículo 10 del proyecto denominado Ley de Responsabilidad de Manejo, Distribución, Expendio de Medicamentos y Establecimientos Farmacéuticos.

“Con la norma buscamos que a ningún boliviano le falte un medicamento, que el control de los costos esté a cargo del Estado, a precios únicos, y que se acabe el monopolio de las farmacias”, declaró el diputado Edwin Tupa (MAS), uno de los impulsores de la ley.

La titular de la Asociación de Propietarios de Farmacias de La Paz, Claudia Paredes, especificó que otro de los beneficios del proyecto es que el Estado se hará cargo de la importación de los fármacos que se requieren para tratamientos contra el cáncer u otras enfermedades complicadas.

“Las medicinas contra el cáncer son muy caras en el país, hay desde Bs 500, por ampolla o píldora, hasta Bs 14 mil; pero si el Estado se hace cargo de la compra y la distribución, el costo bajará y será más accesible”, indicó.

Según la explicación de la profesional, al fijar los precios máximos para acceder a todo tipo de medicamentos, un mayor acceso estará asegurado porque el precio en las farmacias será uniforme. “Además se establece que los fármacos serán comercializados según su nombre genérico, porque la marca hace que suba el costo de un determinado medicamento”, agregó.
El viceministro de Salud, Martín Maturano, explicó que la fijación de precios máximos ya fue consensuada con las farmacias privadas, cadenas, importadoras y laboratorios. Puso como ejemplo que si una aspirina se vende en las ciudades a Bs 0.50, podría subir su precio, como máximo, a Bs 0,70 en las farmacias del área rural.

“Los sectores acordaron tener una franja de costos de los medicamentos, es decir un precio mínimo y máximo, con el objetivo de que todos puedan acceder a los fármacos”, manifestó la autoridad. Clara Ortega, presidenta de la Asociación Nacional de Profesionales y Propietarios de Farmacias (Ansprofar), confirmó el consenso para fijar precios máximos. “Tuvimos varias reuniones porque queremos que los medicamentos sean accesibles para toda la población”.

Para Edwin Saucedo, regente de una agencia de La Paz de la cadena FarmaCorp, la empresa tiene productos a precios accesibles e incluso más bajos que en el mercado, por lo que no les afectará el límite de costos.

Sin embargo, el representante de la Asociación de Importadores y Distribuidores de Fármacos de Bolivia (Asofar), Óscar Medina, aseguró que ni el precio u otro aspecto de la norma propuesta fue consensuado en su totalidad con los sectores.

A pedido de la dirigencia de la Asociación Nacional de Profesionales Propietarios de Farmacias (Ansprofar), el Gobierno elaboró una nueva norma en 2010 y así dejar sin efecto la Ley 1737, promulgada en 1996, que establece la libre oferta y demanda en el costo de los medicamentos.

Prohibirán presencia de visitadores en hospitales

La Ley del Medicamento prohibirá la presencia de visitadores o promotores médicos en centros o establecimientos de salud del sector público y la seguridad social a corto plazo, además de las farmacias privadas.

El incumplimiento a la norma será sancionado por la vía administrativa, civil o penal. Esta es una de 28 restricciones que contempla el proyecto al que tuvo acceso La Razón.

El argumento para esta prohibición surge con el propósito de evitar que la población sea inducida a la automedicación o a la compra de determinados medicamentos importados.

También está prohibida la entrega de muestras de medicamentos psicotrópicos, estupefacientes, sea como incentivos de venta, apoyo, que induzcan a la venta, bonificaciones y regalos.

La comercialización de los medicamentos a través de los medios masivos de comunicación como internet, prensa oral y escrita quedarán restringidos, al igual que los fármacos de donación o programas de estrategia nacional.

Respecto a las farmacias, las prohibiciones consisten en que no pueden realizar acciones de publicidad ni incentivos de venta que induzcan al consumo de automedicación o uso irracional del medicamento.

También se restringe la aplicación de inyectables u otras soluciones, solo deben regirse a la dispensación médica.

En los establecimientos farmacéuticos no puede haber cabinas telefónicas y/o cajeros automáticos que imposibiliten la entrega de las medicinas.

Estará prohibida la comercialización de cualquier tipo de fármacos en las calles, mercados, plazas o ferias, supermercados, tiendas de barrio, entre otros.

También se controlará la adulteración o falsificación de los medicamentos, tanto de la industria nacional como los importados.

No se permitirá el cierre de laboratorios industriales farmacéuticos sin previa notificación a la autoridad reguladora.

Según el proyecto, las contravenciones a las restricciones serán sancionadas de acuerdo con los antecedentes, la gravedad de la falta y sus consecuencias, desde el punto de vista sanitario.

Los montos de las sanciones económicas se cobrarán a simple notificación del infractor y tendrán que ser cancelados al tercer día de la notificación. El Ministerio de Salud habilitará una cuenta para que el dinero sea depositado a esa instancia.

El proyecto será enviado a UDAPE

El proyecto de Ley de Medicamentos será remitido a la Unidad de Análisis de Políticas Sociales y Económicas (UDAPE) hasta antes de junio, anunció el viceministro de Salud, Martín Maturano.

“Previamente se agotarán todos los espacios de consenso con los sectores y luego lo derivaremos a UDAPE para su análisis”, dijo.

La autoridad explicó que tras esa instancia, el documento será enviado al Consejo Nacional de Política Económica y Social (Conapes) para que la entidad apruebe el proyecto y lo derive al gabinete de ministros.

El representante de la Asociación de Representantes de Importadores y Distribuidores de Fármacos de Bolivia (Asofar), Óscar Medina, indicó que no hay avances y el documento se encuentra en la Comisión de Salud de la Cámara de Diputados.

Maturano aseguró que una vez que el proyecto sea entregado a la Asamblea Legislativa Plurinacional, empezará su tratamiento en detalle. “Hubo observaciones al primer proyecto cuando se analizó en grande, por eso se consensuó con los sectores, y creemos que será enviado más rápido a la plenaria para su tratamiento en detalle y luego pasará al Senado”.

No soluciona el acceso a los fármacos

Por Guillermo Cuentas Yáñez

En Bolivia tenemos fetichismo legal, ante cualquier problema creemos que una ley lo solucionará. Sin embargo, en el país el problema que tenemos es el acceso de la población al medicamento gratuito, pero eso no se soluciona con una nueva Ley de Medicamentos .

Podemos tener en Bolivia la mejor ley del mundo, pero el gran desafío es que el ciudadano boliviano pueda acceder al medicamento, porque de qué sirve romper el monopolio de las cadenas de farmacias si igual el acceso a los fármacos es restringido.

Todos estamos de acuerdo con que se priorice la prescripción de fármacos genéricos, que cuesten menos, que se anulen los monopolios y que las farmacias trabajen las 24 horas, pero igual cuestan y la población no está en condiciones de acceder porque no hay un sistema universal de salud.

Los medicamentos oncológicos, los corticoides y otros que son para las enfermedades graves son caros y eso es lo que debería ver el Estado.

El proyecto se hace a pedido de la Asociación de Farmacias que quiere evitar el monopolio y además pretende eliminar a los visitadores médicos. Es un proyecto que no tiene ni pies ni cabeza, es una pelea contra los laboratorios, importadores, cadenas de farmacias y visitadores médicos, es una ley corporativa de un grupo de ciudadanos con la misma lógica corporativa y fetichismo legal que creen que los problemas de Bolivia se solucionan con leyes.
Fuente: La Razón

segunda-feira, 29 de julho de 2013

....indignação brasileira mira políticos mas esquece do capital....

Sem Juízo, por Marcelo Semer



Por que grandes empresários se aliaram a manifestantes e imprensa cobriu protestos de forma ufanista?


Em setembro de 2011, centenas de norte-americanos ocuparam uma praça de Wall Street, centro financeiro da maior economia mundial, para apontar para o 1% mais privilegiado da população, que eles eram os 99% que os sustentavam. E que não estavam mais dispostos a fazê-lo.

Na maior das manifestações ocorridas em São Paulo, o prédio da poderosa Federação das Indústrias na avenida Paulista foi colorido com uma estilizada bandeira brasileira e se tornou parceiro e paisagem dos protestos.

Quando os indignados saíram às ruas na Espanha, foram as redes sociais que serviram de aglutinação e ao mesmo tempo relatavam as manifestações do 15-M em busca da Democracia Real, esvaziadas e distorcidas na imprensa.

No Brasil, apesar de uma tentativa inicial de criminalização, poucos eventos acabaram por merecer uma cobertura tão extensa e em certos momentos até panfletária da grande mídia.

O que fez com que grandes empresários pudessem se aliar aos manifestantes e a imprensa cobrisse os protestos de forma assim ufanista?

Foi o mesmo que motivou a classe média mais tradicional a abandonar sua atávica repulsa a movimentos sociais e atropelar os protestos que nasceram pela revogação do aumento da tarifa.

A crítica se pulverizou toda ela no processo político –poupando agentes e estruturas econômicas responsáveis, em grande parte, pela sua deterioração.

Indignados espanhóis e ocupantes norte-americanos também fizeram mordazes críticas à falta de legitimidade da democracia representativa.

Mas o que expunham era justamente o fato de que os políticos, que deviam representar a vontade da população que os elegera, haviam capitulado frente aos grandes interesses financeiros.

Não à toa, os norte-americanos ignoraram a Casa Branca, o Capitólio ou outras sedes de governo no simbolismo de seu protesto. Foram a Wall Street, onde entendiam se resolver os verdadeiros problemas da política.

Os indignados espanhóis se sentaram nas praças para criticar o bipartidarismo e não para pedir a substituição de um partido por outro. Tinham como um de seus principais slogans: “Não somos marionetes nas mãos de políticos e banqueiros”.

Por aqui, tivemos duas marcas distintas e ao mesmo tempo reveladoras da onda de manifestações.

A primeira é que a repulsa aos partidos não se limitou à autonomia da manifestação, mas beirou o ódio em algumas delas, sugerindo-se que, numa espécie de pátria unida, a bandeira do Brasil pudesse substituir a das legendas, álibi para a agressão de vários militantes.

A outra é que depuramos completamente o substrato econômico da crítica.

Nas limitações cada vez mais explícitas da democracia no capitalismo, questionou-se apenas o processo político. Excluímos da pauta a crítica à forte concentração econômica, possivelmente um dos fatores mais importantes de seu vício.

Isso teve consequências nos primeiros resultados pragmáticos.

A tarifa baixou para os usuários, mas não a remuneração dos empresários do transporte.

De uma manifestação que se iniciou com a libertária bandeira de uma vida sem catraca, os sinais que emergem no Congresso apontam paradoxalmente para o fortalecimento do tônus da repressão.

Afinal, a maioria dos manifestantes não estava mesmo indignada com a desigualdade social –em relação à qual, aliás, alguns fazem mais parte do problema que da solução- e sim com os absurdos do “país da impunidade”.

Não à toa, a disparidade entre as balas de borracha que feriram nas avenidas e as de chumbo que mataram na favela provocaram tão pouca indignação.

Afinal, quando se trata de repressão e impunidade, sempre há um condimento seletivo.

É sintomático que os senadores tenham decidido tornar a corrupção crime hediondo, mas não pensaram no mesmo modelo para a sonegação fiscal, que desvia ainda mais recursos da educação e saúde, trending topics dos cartazes de protesto.

Segundo a proposta aprovada no Senado, até o excesso de exação, a cobrança dolosa e excessiva de tributo, pode virar crime hediondo. Mas a supressão premeditada do imposto, a sonegação, vai continuar sendo resolvida apenas com o pagamento atrasado dos encargos.

Excluindo o capital da crítica, o movimento corre o risco se limitar a criminalizar a política e os políticos, centrando os olhos da repressão nos agentes públicos. Como, aliás, é a tônica dos movimentos anticorrupção apoiados pela mídia. Corruptores são sempre tratados como vítimas.

A insatisfação coletiva mostra que é mesmo necessário encontrar mecanismos de permeabilidade da vontade social.

Mas, sobretudo, que é preciso defender o que é público da ganância dos interesses privados, atualmente, em todo o mundo, com maior força do que o próprio poder estatal. O mercado não disputa eleições, é verdade, mas influencia a todos que se elegem.

É gratificante que as pessoas queiram tomar as rédeas do poder de seu país.

Mas devem compreender, efetivamente, quem as impede.

Oito dicas pra não pagar mico em tempos de manifestações


1 - COPA: Não diga que foram gastos R$ 30 bilhões em estádios. Na verdade, foram gastos R$ 7 bilhões, que é coisa pra caramba. Desses R$ 7 bilhões, grande parte é EMPRESTADA pelo governo federal (que cobrará de volta), mas a maior fatia do investimento será paga pela iniciativa privada. Os outros R$ 23 bilhões foram investimentos em infraestrutura, transporte e aeroportos. Inclusive, o investimento em transporte é uma das reivindicações dos protestos.

2 - SAÚDE x COPA: Nunca peça pro governo gastar com saúde o mesmo que se gastou com estádio de futebol. Nos sete anos de preparação para a Copa, foram gastos aproximadamente R$ 7 bilhões com estádios. Nesse mesmo período, foram gastos mais de R$ 500 bilhões com saúde. Então se você fizer isso, na prática está pedindo pra reduzir consideravelmente os gastos com saúde. Então, cuidado pra não pedir a coisa errada.

3 - PRISÃO DE CORRUPTOS: Não exija que a presidente garanta que algum político seja preso. Isso é papel do poder Judiciário. O manifesto deve ser endereçado a esse poder.

4 - VOTAÇÃO DE LEI OU PEC: Não exija que a presidente impeça a votação de uma lei ou PEC. Isso é prerrogativa do Congresso. O manifesto deve ser endereçado aos parlamentares.

5 - CASSAÇÃO DE MANDATO: Não exija que a presidente casse o mandato de algum deputado ou senador. Isso é papel das casas legislativas. Está escrito no artigo 55 da Constituição Federal.

6 - CONGRESSO E PARTIDOS: Nunca peça pra fechar o Congresso e acabar com os partidos. O último presidente que fez isso foi um marechal. Tal ato aconteceu em 1968 e foi nada menos do que o temido AI-5 da ditadura.

7 - AUXÍLIO-RECLUSÃO: Não compartilhe aquelas informações falsas sobre o auxílio-reclusão, que é um benefício pago à família do detento que tinha carteira assinada e contribuiu com o INSS, logo ele está recebendo um valor pelo qual já pagou anteriormente. O detento deve ser punido, não sua família.


8 - BELO MONTE: Não compartilhe o vídeo dos atores da Globo contra Belo Monte. Esse vídeo de 2011 está cheio de informações falsas. Inclusive, alguns atores que gravaram o vídeo se arrependeram depois de descobrir que o que eles disseram não era bem assim.

domingo, 28 de julho de 2013

Slavoj Žižek: “Nosso inimigo é a ilusão democrática”


28/10/2011, London Review of Books (Blogs)
Traduzido pelo Coletivo da Vila Vudu, em redecastorphoto – http://goo.gl/KaGdu
Entreouvido na Vila Vudu:

"Movimento que emociona jornalistas globais fascistas -- como Ana Maria Brega --  não pode ser bom pra nós. Problema , agora, é  ajudar a presidenta Dilma  a  (1) entender isso; (2) explicar isso ao João Saldanha; e (3) conseguir que os marketeiros façam o que NUNCA fizeram: que deem jeito de pôr pensamento POLÍTICO comunista na boca  (1) dos petistas; e (2) dos pobres em geral. (Não vai ser fácil! Se pelo menos tivéssemos 'cumunicação' comununista! Porque ter imprensa-empresa progressista, isso, não temos, mesmo: essa batalha já perdemos).


************************************************************************
Anne Applebaum escreveu no Washington Post que os protestos em Wall Street e na Catedral de St Paul são parecidos, “na falta de foco, na incoerência e, sobretudo, na recusa a engajar-se nas instituições democráticas existentes”. “Diferentes dos egípcios” – prossegue ela – “com os quais os manifestantes de Londres e New York comparam-se abertamente (e ridiculamente) nós aqui temos instituições democráticas”. [1]

Claro que, se você reduz os protestos da Praça Tahrir a simples demanda por democracia à moda ocidental, como faz Applebaum, torna-se ridícula qualquer comparação entre Occupy Wall Street e os eventos do Egito: como poderiam os que protestam em Wall Street exigir o que já têm? O que a colunista do Washington Post bloqueia e não vê é a possibilidade de haver descontentamento geral com os sistemas capitalistas globais que assumem formas diferentes aqui e lá.

“Mas num sentido” – Applebaum concede – “o fracasso do movimento internacional Occupy, que não consegue apresentar propostas sólidas de novas leis, é compreensível: as fontes da crise econômica global e suas soluções estão, por definição, fora da competência de políticos locais e nacionais”. E acaba forçada a concluir que “a globalização já começou, visivelmente, a solapar a legitimidade das democracias ocidentais”.

Isso, precisamente, é o que os manifestantes estão mostrando e impondo à atenção de todos: que o capitalismo global solapa a democracia. Conclusão óbvia, daí em diante, é que temos de começar a pensar em meios para expandir a democracia para além da forma que tem hoje, baseada em estados-nação e sistemas multipartidários, e que se mostrou incapaz de gerenciar as consequências destrutivas da vida econômica.

Mas, em vez de dar esse passo adiante, Applebaum muda tudo, culpa os próprios manifestantes que protestam nas ruas, listando as seguintes questões:

Se os ativistas “globais” não tiverem cuidado, acabarão por acelerar o declínio daquele modelo. Os manifestantes gritam em Londres: “Queremos um processo!” Ora, eles já têm um processo: chama-se sistema policial britânico. Se não sabem usá-lo, só conseguirão enfraquecê-lo ainda mais...

O argumento de Applebaum, portanto, parece ser que, dado que a economia global está fora do alcance da política democrática, qualquer tentativa para expandir a democracia para que consiga manejar a economia global... acelerará o declínio da democracia. E o quê, então, devemos fazer? A jornalista sugere que continuemos engajados num sistema político que, segundo ela mesma, não é capaz de fazer o que se espera que faça.

Se há o que não falta hoje, é crítica do capitalismo: estamos inundados de histórias sobre o quanto as empresas poluem cruelmente nosso ambiente; de banqueiros que recebem gordos bônus enquanto seus bancos têm de ser ‘resgatados’ e são salvos com dinheiro público, sobre os pardieiros onde o trabalho de crianças é superexplorado para fabricar roupas baratas que são vendidas em bancas.

Mas há um truque escondido aí: todas essas histórias assumem que a luta contra esses crimes tenha de ser feita no quadro bem conhecido da democracia liberal. A meta (explícita ou implícita) é democratizar o capitalismo, ampliar o controle democrático sobre a economia global, mediante a exposição na mídia, os inquéritos parlamentares, leis mais duras, inquéritos e investigações judiciais etc. Mas não se questiona o quadro das instituições do estado democrático burguês. Esse é preservado, sacrossanto, até nas modalidades mais radicais do “anticapitalismo ético” – o Fórum Social Mundial de Porto Alegre, o movimento de Seattle etc. etc.

Aqui, o insight chave de Marx continua tão pertinente hoje quanto sempre foi: a questão da liberdade não deve ser enquadrada, basicamente, na esfera política – quer dizer, em coisas como eleições livres, judiciário independente, imprensa livre, respeito pelos direitos humanos. A verdadeira liberdade reside na rede “apolítica” das relações sociais, do mercado à família, onde a mudança necessária, para melhorar as coisas, não é alguma reforma política, mas uma mudança nas relações sociais de produção.

Os eleitores não votam para decidir quem será proprietário do quê, ou para decidir sobre as relações entre os trabalhadores numa fábrica. Essas coisas são deixadas entregues a processos fora da esfera política, e é ilusão supor que essas coisas possam ser mudadas com, simplesmente, alguma “ampliação” da democracia: por exemplo, criando bancos “democráticos” controlados pelo povo.

Mudanças radicais nesse campo têm de ser feitas fora da esfera de instrumentos democráticos, como direitos humanos e outros. Esses instrumentos democráticos têm um papel positivo, é claro, mas é preciso ter em mente que todos os mecanismos democráticos são parte de um aparelho de estado burguês previsto para garantir, sem perturbações, o funcionamento da produção capitalista.

Badiou acertou ao dizer que o nome do pior inimigo, hoje, não é “capitalismo”, “império”, “exploração” ou coisas do tipo, mas, sim “democracia”. Hoje, o que impede qualquer genuína transformação das relações capitalistas é a “ilusão democrática”, a aceitação de mecanismos democráticos burgueses como únicos meios legítimos de mudança.

Os protestos de Wall Street são só o começo, mas é preciso começar como já começaram lá, com um gesto formal de rejeição, que é mais importante que seu conteúdo propositivo, porque só um gesto desse tipo pode abrir espaço para novos conteúdos.

Assim sendo, não nos deixemos distrair pela pergunta “Mas o que querem vocês?”. É a autoridade masculina interrogando a mulher histérica: “Você só reclama! Você tem alguma ideia do que você realmente quer?” Em termos psicanalíticos, os protestos são uma explosão histérica que provoca o chefe e mina sua autoridade. E a pergunta do chefe (“Mas o que você quer?”) esconde seu subtexto: “Responda em língua que eu entenda, ou cale a boca!”

Até agora, os que protestam em Wall
Street e pelo mundo, têm conseguido muito bem escapar à crítica que Lacan fez aos estudantes de 1968: “Como revolucionários, vocês são histéricas clamando por um novo chefe. Conseguirão”.

sábado, 27 de julho de 2013

Classe médica se manifesta no Brasil "com muita Ética e Respeito"


Qual será o nome desta Médica???

Esta é a classe médica do Brasil!

Totalmente sem ética e sem respeito ao próximo!


Uma médica que se manifesta desta maneira contra um ex presidente do país (o mais alto cargo que um brasileiro pode aspirar), imaginem então como ela deve tratar seus pacientes.


Que venham médicos de todos os lugares do mundo, pois só assim o povo brasileiro saberá como um médico verdadeiro deve se comportar.


Fonte: BURGOS (Cãogrino)




Os monstrinhos da Geração Xuxa

 
  

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Rumo a um neo-totalitarismo?

 
 
 
Espionagem militar maciça dos EUA apoia-se na cumplicidade das corporações da internet e numa safra de filmes pró-guerra. Felizmente, agora sabemos de tudo  

Por John Pilger, do NewStatesman | Tradução Resistir.Info e Cauê Ameni

No seu livro, Propaganda, publicado em 1928, Edward Bernays escreveu: “A manipulação consciente e inteligente dos hábitos organizados e das opiniões das massas é um elemento importante na sociedade democrática. Aqueles que manipulam este mecanismo ocultos da sociedade constituem um governo invisível, o qual é o verdadeiro poder dominante no nosso país”.
Bernays, o sobrinho norte-americano de Sigmund Freud, inventou a expressão “relações públicas” como um eufemismo para propaganda de estado. Ele lembrou, porém, que os que dizem a verdade, e um público esclarecido, são uma ameça permanente ao governo invisível.


Em 1971, Daniel Ellsberg trouxe a público os documentos do governo estadunidense conhecidos como The Pentagon Papers. Revelou que a invasão do Vietnã fora baseada numa mentira sistemática. Quatro anos depois, o senador Frank Church dirigiu audiências extraordinárias no Senado dos EUA: um dos últimos lampejos da democracia americana. Estas puseram a nu a plena extensão do governo invisível: a espionagem e subversão internas e a provocação de guerra pelas agências de inteligência e “segurança”, bem como o apoio que recebiam das grandes corporações e das mídias, tanto conservadores como liberais.

Ao referir-se à Agência de Segurança Nacional (NSA), Church afirmou: “Sei que a capacidade que há para instaurar uma tirania na América. Devemos assegurar que esta agência, e todas as que possuem esta tecnologia [de espionagem] operem dentro da lei… de modo que nunca cruzemos esse abismo. Trata-se do abismo do qual não há retorno”.


Em 11 de Junho de 2013, após as revelações feitas por Edward Snowden (um ex-contratado da CIA e NSA), e publicadas por  The Guardian, Daniel Ellsberg escreveu que os EUA agora escorregaram para “aquele abismo”.

A revelação de Snowden, de que Washington utilizou a Google, Facebook, Apple e outros gigantes da tecnologia para espionar quase toda a internet, é uma nova evidência da forma moderna de fascismo – esse é o “abismo”. Depois de alimentar regimes autoritários por todo o mundo – desde a América Latina à África e à Indonésia – o gene cresceu em casa. Entender isto é tão importante quanto entender o abuso criminoso da tecnologia.


Fred Branfman, que denunciou a destruição “secreta” do pequeno  Laos pela aviação dos EUA, nas décadas de 1960 e 70, proporciona uma resposta para aqueles que ainda se perguntam como um presidente afro-americano, professor de direito constitucional, pode comandar tamanha ilegalidade. “Sob o Obama, os Estados Unidos ainda estão longe de ser um estado policial clássico. . . ”, escreveu ele, “Mas nenhum presidente fez mais para criar a infraestrutura para um possível futuro totalitário”. Por que? Porque Obama, tal como George W. Bush, entende que o seu papel não é satisfazer aqueles que nele votaram mas sim expandir “a mais poderosa instituição da história do mundo, uma instituição que matou e desalojou bem mais de 20 milhões de seres humanos, principalmente civis, desde 1962″.

No novo ciber-poder americano, só as portas giratórias mudaram. O diretor da Google Ideas, Jared Cohen, era conselheiro de Condaleeza Rice, a antiga secretária de Estado no governo Bush, que mentiu quando disse que Saddam Hussein podia atacar os EUA com armas nucleares. Cohen e o presidente executivo da Google, Eric Schmidt – eles encontraram-se nas ruínas do Iraque – escreveram um livro em co-autoria, The New Digital Age, aclamado como visionário pelo antigo diretor da CIA Michael Hayden e pelos criminosos de guerra Henry Kissinger e Tony Blair. Os autores não mencionam o programa de espionagem Prism , revelado por Edward Snowden, que proporciona à NSA acesso a todos os que utilizamos o Google.


Controle e dominação são as duas palavras que dão forma a esse tipo de programa. São exercidas por meio de planos políticos, econômicos e militares, entre os quais a vigilância em massa é uma parte essencial — mas também o é vasta propaganda entre a opinião  pública. Este era o ponto de Edward Bernay. As suas duas campanhas de relações publicas de maior êxito foram convencer os nort-americanos de que deveriam ir à guerra em 1917 e persuadir as mulheres a fumar em público; os cigarros eram “tochas da liberdade” que acelerariam a libertação da mulher.

É cultura popular que funciona mais eficazmente a ideia fraudulenta segundo a qual os Estados Unidos são moralmente superiores e, portanto “líderes do mundo livre”. Mas, mesmo durante os períodos mais patrioteiros de Hollywood houve filmes excepcionais (como os de Stanley Kubrick) e filmes europeus audaciosos que encontravam distribuidores nos EUA. Nestes dias, não há Kubrick, nem Strangelove e o mercado norte-americano está quase fechado a filmes estrangeiros.

Quando apresentei meu filme A Guerra na Democracia a um grande distribuidor liberal dos EUA, recebi uma lista de mudanças exigidas para “assegurar que o filme fosse aceitável”. A inesquecível concessão que ele me fez foi: “OK, talvez pudéssemos deixar Sean Penn como narrador. Isso o satisfaria?” Ultimamente, o filme de apologia da tortura Zero Dark Thirty, de Katherine Bigelow, e We Steal Secrets, um ataque a machadadas contra Julian Assange, foram feitos com o apoio generoso da Universal Studios, cuja companhia-mãe até recentemente era a General Electric. A mesma GE que fabrica armas, componentes para aviões-caça e tecnologia avançada de vigilância. A companhia também tem interesses lucrativos no Iraque “libertado”.

O poder dos contadores de verdades, como Bradley Manning, Julian Assange e Edward Snowden, é que eles refutam toda uma mitologia construída cuidadosamente pelo cinema corporativo, pela academia e pelas mídias de mercado. O WikiLeaks é especialmente perigoso porque proporciona um meio para publicar as verdades que incomodam o poder. Isto foi conseguido em Collateral Murder, o vídeo filmado a partir da cabine de um helicóptero Apache dos EUA, supostamente vazado pelo jovem soldado Bradley Manning. O impacto deste único vídeo marcou Manning e Assange para a vingança do Estado. Ali estavam pilotos dos EUA a assassinar jornalistas e mutilar crianças numa rua de Bagdad,  claramente divertindo-se, e descrevendo sua atrocidade como “nice”. No entanto, num sentido vital, eles não escaparam sem punição; somos agora testemunhas, cabe a nós denunciá-los.

John Pilger


John Pilger teve sua carreira como repórter iniciada em 1958, e ao longo dos anos tornou-se famoso pelos livros e documentários que escreveu ou produziu. Especializou-se nas áreas de jornalismo investigativo e direitos humanos.

Contas públicas: Brasil poderia entrar para a União Europeia!

  Por Marcos Doniseti, no Com Texto Livre
Dívida Pública Líquida brasileira caiu 41,7% entre 2003-2012, durante os governos Lula-Dilma, passando de 60,4% do PIB em 2002 para 35,2% do PIB em 2012. E o Brasil tem, hoje, uma dívida pública ainda menor, de 34,8% do PIB (dados de Maio de 2013).
http://1.bp.blogspot.com/-UbLNdgOsAao/Udm02wA9smI/AAAAAAABAfw/wne3WI8YwZ0/s1600/dc3advida-pc3bablica-lc3adquida-2001-2012.png
Dívida Líquida do setor público brasileiro despencou durante os governos Lula-Dilma, caindo de 60,4% do PIB em 2002 para 35,3% do PIB em 2012, acumulando uma queda real de 41,7%.
Quero sugerir aos leitores deste modesto blog que leiam o texto da 'Agência Brasil' a respeito das contas públicas brasileiras cujo link postei abaixo. Ele diz que o déficit público nominal do Brasil ficou em 2,87% do PIB no acumulado dos últimos 12 meses. E o mesmo também informa que a dívida líquida do setor público brasileiro é de 34,8% do PIB atualmente.
E segundo matéria do G1 (ver link abaixo), o déficit público nominal do Brasil nos últimos anos foi o seguinte:
2011 - 2,61% do PIB;
2012 - 2,47% do PIB.
Assim, nos últimos 3 anos, no mesmo período em que a economia mundial enfrentou uma crise gravíssima, principalmente na Zona do Euro, e que provocou uma forte desaceleração da economia mundial (a China, por exemplo, estava crescendo ao ritmo de 11,9% ao ano no 2o. trimestre de 2010 e, agora, em 2013, não consegue sequer atingir os 8% de crescimento anual) o Brasil teve um déficit público nominal (que inclui os gastos com o pagamento dos juros da dívida pública), inferior a 3% do PIB, o que credenciaria o país até a requisitar a sua entrada para União Europeia, que tem um teto de 3% do PIB para o déficit público dos países membros.
E a dívida líquida do setor público brasileiro, que é de 34,8% do PIB (dados de Maio de 2013), também está bem abaixo do teto imposto pela UE aos seus países membros, que é de 65% do PIB.
Assim, caso desejasse, o Brasil poderia até requisitar a sua entrada para a UE, bloco no qual muitos dos países integrantes estão bem longe de cumprirem com as metas do teto de endividamento (65% do PIB) e de déficit público (3% do PIB), tal como acontece com a França, Itália, Espanha e Portugal, por exemplo.
Na Espanha o déficit público chegou a 10,2% do PIB em 2012 e a dívida pública bateu novo recorde, chegando aos 84,1% do PIB. Em 2012, o déficit público da França, por sua vez, chegou a 4,8% do PIB e a dívida pública atingiu os 90,2% do PIB. Na Itália, no ano passado, a dívida pública chegou a 127% do PIB e a economia do país acumulou uma forte queda de 2,4%. Em Portugal, a dívida pública ultrapassou os 120% do PIB e o déficit público ficou próximo aos 5% do PIB em 2012.
E nos EUA, por exemplo, o déficit público fechou o ano fiscal de 2011-2012 com um índice equivalente a 7% do PIB e ultrapassou US$ 1 Trilhão.
Mas é claro que este fato, a boa situação das contas públicas brasileiras atualmente, não recebe nenhum destaque na Grande Mídia brasileira, que prefere difundir a mentira deslavada de que a economia do país está enfrentando uma crise terrível.
Porém, quando se trata de analisar os números de forma realista, o quadro que vemos é muito diferente, com o Brasil navegando em mares tranquilos, enquanto as maiores economias do mundo enfrentam a pior crise econômica e social desde a Grande Depressão dos anos 1930.
Grande Mídia e Você: Nada a Ver!

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Johann Trollman, o boxeador cigano que ridicularizou o nazismo

Johann Trollman, apelidado de Rukeli, era jovem, rápido e forte. Era também cigano e vivia no pior dos lugares e no pior dos momentos para o  povo roma: a Alemanha nazista de Adolf Hitler. Seis dias depois de ganhar o título de campeão da Alemanha teve sua conquista anulada porque seu estilo de boxe não era digno de um esportista  ariano. Pouco tempo depois, em uma luta subsequente, Trollman protagonizou uma das mais extraordinárias e menos conhecidas histórias do boxe. Um gesto digno de um herói das tragédias gregas que ridicularizou a suposta supremacia da raça ariana.

Trollman cresceu nos bairros pobres de Hannover. Nas mão do treinador, o boxeador judeu Erich Seelig, o jovem lutador prometia um futuro brilhante no boxe profissional. Porém, o estilo e popularidade de Trollman irritavam cada vez mais os ideólogos nazistas. O veloz jogo de pernas e os movimentos curtos do lutador cigano contrastavam com o estilo de boxe da época: o estilo valentão, com o atleta a evocar mais a figura de um guerreiro do que a de um desportista.

"Afeminado"  e "Nada a ver com o verdadeiro boxe ariano", eram algumas das manchetes que, em 1932, foram dedicadas a Trollman pelo Völkischen Beobachter, ( O Observador Popular ) jornal oficial do partido nazista.

Apesar disso, em 1933, aos 25 anos, Trollman disputou o título alemão da categoria dos meio-pesados contra Adolf Witt, campeão dos pesados. Um combate desigual entre Davi e Golias no qual o boxeador roma fez valer toda a sua agilidade, deixando o adversário exausto e a ponto de desmoronar no ringue. A vitória de Rukeli por pontos era evidente, justa, incontestável.

Foi então que entrou em cena a Associação de Boxe Alemã, repleta de nazistas, acusando o  cigano Trollman de enfiar os dedos no olho do adversário. Os juízes interromperam a luta e declararam empate, contudo, a multidão que assistia a luta, enfurecida pela flagrante injustiça, exigia que Trollman fosse declarado vencedor. Os juízes, acuados quase ao ponto de serem linchados, tiveram que restabelecer a verdade do combate e declarar Trollman como campeão da Alemanha.

Johann então, chorou de felicidade no ringue. O choro do campeão foi a desculpa usada pelos nazistas para anularem o título do boxeador roma. A razão oficial: comportamento inadequado ( chorar no ringue ). O verdadeiro motivo: ser cigano, mais precisamente, sinti.

Dois meses depois, uma nova luta foi organizada e Trollman foi obrigado a participar do combate. As autoridades nazistas queriam vingar a derrota de Witt e acabar com a perigosa popularidade do jovem cigano. Para garantir a derrota de Trollman, ele foi proibido de mover-se do centro do ringue e de usar seu jogo de pernas para se esquivar dos golpes, sob a pena de perder a licença de lutador. O que aconteceu em seguida, como já dito antes, foi um dos sacrifícios mais extraordinários e menos conhecidos da história dos esportes.

Johann Trollman entrou no ringue com o cabelo tingido de loiro e com o corpo totalmente coberto de farinha, um gesto de provocação, uma caricatura que ridicularizava a imagem do guerreiro ariano, com a qual a propaganda nazista envenenava a Alemanha. Durante o combate, Trollman ficou no centro do rinque, com as pernas afastadas, imóvel, sem esquivar-se, um após outro, dos socos de Gustav Eder,  famoso pelos golpes potentes.

Johann resistiu cinco assaltos e tombou banhado em sangue. A carreira também desmoronou com o nocaute covarde infligido pelos nazistas. Ele disputou, sem sucesso, mais nove lutas e foi obrigado a se aposentar prematuramente.

Durante os anos seguintes, a perseguição dos não arianos intensificou-se dramaticamente. Milhares de ciganos foram esterilizados, incluindo Trollman. Em 1939, ele foi convocado para a Wehrmacht, para lutar na Frente Oriental. Em troca desse "serviço desinteressado para o Terceiro Reich", a família do lutador permaneceria viva.

Em 16 de novembro de 1942, Himmler assina o Tratado de Auschwitz, no qual os romas recebem o mesmo veredicto de morte dado aos judeus. Milhares de ciganos são deportados para os campos de extermínio. Trollman é enviado para o campo de concentração de Neuengamme. Sabendo da fama de boxeador do prisioneiro, lutas  de boxe eram organizadas pelos guardas do campo para entretenimento dos militares nazistas. Pela cooperação, Trollman recebia porções extras de ração, contudo, quando a luta era com guardas alemães, ele era obrigado a perder por nocaute ou caso contrário, era deixado por dias sem alimento.

Nem a razão, nem a data da morte de Johann Trollman são bem claras. Entretanto, em 2008, um livro de Roger Reppilinger, afirmou que em 1944, o boxeador cigano participou de uma daquelas lutas no campo contra Emil Cornelius, um kapo ( prisioneiros que colaboravam com a Schutzstaffel ). Trollman venceu facilmente, porém, o kapo, inconformado com a derrota, atacou-o pelas costas com um pedaço de madeira, só parando de bater quando Trollman estava mergulhado em sangue. O ataque covarde aconteceu a vista dos condescendentes guardas nazistas.

Johann Trollman terminou assassinado na lama de  um campo de concentração, calçando luvas de boxe, que, em um mundo diferente, lhe teriam conduzido à glória.

Em 2003, setenta anos depois de conquistado legitimamente, o cinturão de campeão dos meios-pesados da Alemanha foi entregue aos herdeiros do roma. Nas ruas de Hamburgo pode-se ver uma placa memorial em homenagem ao lutador e em 09 de junho de 2010 foi inaugurado em  Berlim um monumento  a Johann Trollman, o pugilista cigano que ridicularizou o Terceiro Reich.
Fonte: Não encontrada - recebido por email.

08/07/2013

Receita contra o Facebook, Diáspora começa a ganhar adeptos

Primeiro foi o perfil de Stanley Burburinho sumariamente banido do Facebook, provavelmente denunciado pelos que não concordam com a linha ideológica de seu ativismo, qual seja: usar a informação como arma para desmascarar os dominadores (poder econômico e mídia, principalmente).




Persistente, Stan criou novo perfil, adotando pseudônimo de Julinho da Adelaide, um avatar com a face de Che Guevara, a exemplo do Anonymous, que usa o conspirador inglês Guy Fawkes como representação simbólica. Mas hoje cedo as pessoas começaram a procurar por ele no Facebook. Uma pesquisa rápida leva a um perfil "hacheado" do velho Julinho.

E sabe o que eles pediram para liberar o Julinho? O número do telefone dele. Rárarara, vão ter que esperar sentados.

Fiquei intrigado porque comigo aconteceu algo semelhante, mas em escala menor. Um dia desses recebi um aviso de que o FB tinha sido notificado por violação dos termos de uso por pessoa operando a partir do meu perfil. Caso considerasse a punição injusta, seis dias sem poder executar algumas ferramentas, bastaria mandar um e-mail que eles detalhariam o processo.

Apesar de enviar o e-mail, conforme sugerido, até hoje, uma semana depois, não sei porque levei esse puxão de orelhas. Confesso que já estava um pouco desanimado, depois de saber o Departamento de Estado, a CIA e o grupos de espionagem eletrônica americanos estavam atuando não só no FB, mas estariam monitorando e-mail e, pasmem, até mensagem privativas.

Burburinho não perdeu seu bom humor e segue atirando pelo twitter seus potentes petardos. Um deles, esta tarde, diz: #Obama quer prender ‎#Snowden por crime de espionagem porque #Snowden mostrou que Obama cometeu crime de espionagem. Vai entender.

Mas como o mundo não está perdido, ainda,, há uma boa solução em código aberto e super segura, o Joindiaspora. Segundo o próprio Stan, trata-se de uma rede social super interativa e livre de intrusos. Por isso, comunico que, assim que tiver um tempinho, vou desativar minha conta no FB e migrar para o Diáspora.

Lá você cria sua comunidade e protege de verdade seus dados pessoais. Pelo menos é o que diz a propaganda e, até prova em contrário, vou nessa. Quanto ao e-mail, evite portais corporativos. Eles também são super vulneráveis, haja vista o que a UOL fez nas últimas eleições presidenciais. Caso não saiba, simples, faça como Burburinho, pesquise. Mas cuidado também com o Google, ok? Assim como outros "eles estão assistindo a você".

Só mais uma curiosidade, para os que não atentaram, o termo diáspora define o deslocamento, forçado ou incentivado, de grandes massas populacionais.
- See more at: http://maureliomello.blogspot.com.br/2013/07/receita-contra-o-facebook-diaspora.html#sthash.lVIV5bPt.dpuf

08/07/2013

Receita contra o Facebook, Diáspora começa a ganhar adeptos

Primeiro foi o perfil de Stanley Burburinho sumariamente banido do Facebook, provavelmente denunciado pelos que não concordam com a linha ideológica de seu ativismo, qual seja: usar a informação como arma para desmascarar os dominadores (poder econômico e mídia, principalmente).




Persistente, Stan criou novo perfil, adotando pseudônimo de Julinho da Adelaide, um avatar com a face de Che Guevara, a exemplo do Anonymous, que usa o conspirador inglês Guy Fawkes como representação simbólica. Mas hoje cedo as pessoas começaram a procurar por ele no Facebook. Uma pesquisa rápida leva a um perfil "hacheado" do velho Julinho.

E sabe o que eles pediram para liberar o Julinho? O número do telefone dele. Rárarara, vão ter que esperar sentados.

Fiquei intrigado porque comigo aconteceu algo semelhante, mas em escala menor. Um dia desses recebi um aviso de que o FB tinha sido notificado por violação dos termos de uso por pessoa operando a partir do meu perfil. Caso considerasse a punição injusta, seis dias sem poder executar algumas ferramentas, bastaria mandar um e-mail que eles detalhariam o processo.

Apesar de enviar o e-mail, conforme sugerido, até hoje, uma semana depois, não sei porque levei esse puxão de orelhas. Confesso que já estava um pouco desanimado, depois de saber o Departamento de Estado, a CIA e o grupos de espionagem eletrônica americanos estavam atuando não só no FB, mas estariam monitorando e-mail e, pasmem, até mensagem privativas.

Burburinho não perdeu seu bom humor e segue atirando pelo twitter seus potentes petardos. Um deles, esta tarde, diz: #Obama quer prender ‎#Snowden por crime de espionagem porque #Snowden mostrou que Obama cometeu crime de espionagem. Vai entender.

Mas como o mundo não está perdido, ainda,, há uma boa solução em código aberto e super segura, o Joindiaspora. Segundo o próprio Stan, trata-se de uma rede social super interativa e livre de intrusos. Por isso, comunico que, assim que tiver um tempinho, vou desativar minha conta no FB e migrar para o Diáspora.

Lá você cria sua comunidade e protege de verdade seus dados pessoais. Pelo menos é o que diz a propaganda e, até prova em contrário, vou nessa. Quanto ao e-mail, evite portais corporativos. Eles também são super vulneráveis, haja vista o que a UOL fez nas últimas eleições presidenciais. Caso não saiba, simples, faça como Burburinho, pesquise. Mas cuidado também com o Google, ok? Assim como outros "eles estão assistindo a você".

Só mais uma curiosidade, para os que não atentaram, o termo diáspora define o deslocamento, forçado ou incentivado, de grandes massas populacionais.
- See more at: http://maureliomello.blogspot.com.br/2013/07/receita-contra-o-facebook-diaspora.html#sthash.lVIV5bPt.dpuf

08/07/2013

Receita contra o Facebook, Diáspora começa a ganhar adeptos

Primeiro foi o perfil de Stanley Burburinho sumariamente banido do Facebook, provavelmente denunciado pelos que não concordam com a linha ideológica de seu ativismo, qual seja: usar a informação como arma para desmascarar os dominadores (poder econômico e mídia, principalmente).




Persistente, Stan criou novo perfil, adotando pseudônimo de Julinho da Adelaide, um avatar com a face de Che Guevara, a exemplo do Anonymous, que usa o conspirador inglês Guy Fawkes como representação simbólica. Mas hoje cedo as pessoas começaram a procurar por ele no Facebook. Uma pesquisa rápida leva a um perfil "hacheado" do velho Julinho.

E sabe o que eles pediram para liberar o Julinho? O número do telefone dele. Rárarara, vão ter que esperar sentados.

Fiquei intrigado porque comigo aconteceu algo semelhante, mas em escala menor. Um dia desses recebi um aviso de que o FB tinha sido notificado por violação dos termos de uso por pessoa operando a partir do meu perfil. Caso considerasse a punição injusta, seis dias sem poder executar algumas ferramentas, bastaria mandar um e-mail que eles detalhariam o processo.

Apesar de enviar o e-mail, conforme sugerido, até hoje, uma semana depois, não sei porque levei esse puxão de orelhas. Confesso que já estava um pouco desanimado, depois de saber o Departamento de Estado, a CIA e o grupos de espionagem eletrônica americanos estavam atuando não só no FB, mas estariam monitorando e-mail e, pasmem, até mensagem privativas.

Burburinho não perdeu seu bom humor e segue atirando pelo twitter seus potentes petardos. Um deles, esta tarde, diz: #Obama quer prender ‎#Snowden por crime de espionagem porque #Snowden mostrou que Obama cometeu crime de espionagem. Vai entender.

Mas como o mundo não está perdido, ainda,, há uma boa solução em código aberto e super segura, o Joindiaspora. Segundo o próprio Stan, trata-se de uma rede social super interativa e livre de intrusos. Por isso, comunico que, assim que tiver um tempinho, vou desativar minha conta no FB e migrar para o Diáspora.

Lá você cria sua comunidade e protege de verdade seus dados pessoais. Pelo menos é o que diz a propaganda e, até prova em contrário, vou nessa. Quanto ao e-mail, evite portais corporativos. Eles também são super vulneráveis, haja vista o que a UOL fez nas últimas eleições presidenciais. Caso não saiba, simples, faça como Burburinho, pesquise. Mas cuidado também com o Google, ok? Assim como outros "eles estão assistindo a você".

Só mais uma curiosidade, para os que não atentaram, o termo diáspora define o deslocamento, forçado ou incentivado, de grandes massas populacionais.
- See more at: http://maureliomello.blogspot.com.br/2013/07/receita-contra-o-facebook-diaspora.html#sthash.lVIV5bPt.dpuf