LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

domingo, 23 de março de 2014

CARPINA, FLORESTA DOS LEÕES

Rua de São José - *Imagem daqui
                               


Em 1962 nasci, em Carpina, cidade da Zona da Mata, no Estado de Pernambuco. Não foi um grande acontecimento; nem um acontecimento pequeno; foi um acontecimento microscópico. Apenas para os meus pais, creio, foi algo relevante. Era um sábado, 17 de novembro, às 16 horas. Sobre este fato escrevi, mais de quarenta anos depois:

“Quando nasci em Carpina, em 1962,
para uma vida de merda,[1]
não havia nenhum anjo safado de plantão,[2]
um bêbado, um louco e um poeta[3] então me disseram:
vai, Itárcio, se fode na vida.[4]

Com um ano de idade fui acometido pelo vírus da pólio, que me deixou várias sequelas, no corpo e na alma:

Com um ano de idade, a pólio me abraçou
como uma camisa de força a um louco
e me deixou sequelas no corpo e na alma.”

A origem dos nomes da minha cidade... Quando nasci e cresci, na Rua de São José, número 80, Carpina já era Carpina, desde 1948; antes se chamava Chã do Carpina; depois, por ocasião da revolução de 1817, Floresta dos Leões. Muito antes do meu nascimento os leões haviam sido extintos pelos caçadores, interessados por suas peles, dentes e unhas; e posteriormente, Carpina.

A Praça de São José... Tanto a praça dos leões quanto a Rua de São José eram para mim as maiores maravilhas do mundo. Eram gigantes, lindas. Nunca vira monumento ou cidade com tão imensa beleza a ser descoberta, vivida, sonhada.

A festa de Reis era de uma grandiosidade que lembrava - lembrava? – as festas pagãs dos antigos povos gauleses, celtas, indígenas, africanos. Tudo era mágico. As barracas de jogos, as argolas, a pescaria. Balões que voavam sozinhos, bolas de erva doce, sonhos e mais sonhos.

Minha doença e o tabu de falar com a família sobre ela... Durante mais de cinquenta anos, nunca tive coragem de conversar sobre minha doença com os membros de minha família. Para isto havia inventado uma estória que me satisfazia: dizia às pessoas que me perguntavam se eu tinha sido vacinado que sim, mas que várias crianças na minha cidade adoeceram, o que era verdade, e que provavelmente as vacinas haviam sido mal acondicionadas e estava sem validade, o que era mentira. Na verdade não fui vacinado.

As férias em Pontas de Pedras... Pelo menos tive a oportunidade de ter várias férias em Pontas de Pedras, pois o banho de mar e o sol metabolizavam algo em meu corpo que fizeram que minhas pernas, as partes do meu corpo mais afetadas, tivessem um crescimento além da média.

Não encontrei apenas a saúde em Pontas de Pedra, mas o amor, a diversão, a liberdade e o gosto pela música.

O gosto pela música... Estava à toa na vida... O amor de Emília... Os banhos de mar... Liberdade e diversão. Saudades de Pontas de Pedras... Tempos que não voltam mais.

(Itárcio Ferreira)







[1] ObrigadoFerreira Gullar.
[2] Obrigado, Chico Buarque.
[3] Obrigado, Sebastião Vila Nova.
[4] Obrigado, Drummond.
Postar um comentário