LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

domingo, 13 de julho de 2014

Argentina, sim!


Por Leopoldo Vieira, via Blog do Zé Dirceu
Dia 13 de julho torcerei pela Argentina como consequência inevitável da torcida pela América Latina durante toda a Copa.
A derrota da maior potência futebolística européia para uma seleção hermana coroará a #CopadasCopas, perfeitamente chamada de “Copa da CELAC” pela presidenta Dilma.
Será a coroação porque, embora só com o início do Mundial um certo “patriotismo da Pátria Grande” difuso tenha se manifestado, foi um sentimento que cresceu entre a torcida brasileira.
O Brasil foi conduzido pela hegemonia histórica de elites subalternamente associadas aos EUA e à Europa a virar de costas para a América Latina. Nesta Copa, os brasileiros – como já se escreveu – puderam “ver” que os seus irmãos latinos de formação social, tragédia colonial, esperanças emergentes, existem. Mesmo o slogan #AmericaLatinaMenosArgentina foi um gigantesco salto nas representações brasileiras de pertencimento. O povo em geral começou a descobrir uma pátria mais universal e profunda que o Brasil em si. Em outras palavras: a dimensão cultural do desenvolvimento, que é a superação do rodriguiano complexo de vira-latas, condição essencial, ao menos de nossa parte, para uma aproximação com o caminho sugerido por Perón (e que segue sendo a grande plataforma da emancipação dos nossos povos): estarmos unidos para não estarmos dominados, em busca da independência econômica, soberania política e justiça social.
Será a coroação porque, para muito além do calor hospitaleiro de nossa gente e da paixão torcedora, crescendo e se impondo sobre o ódio da velha mídia comercial e da agressividade infantil de Black Blocks e seus simpatizantes, a gestão da Copa deu um banho. Provamos que o investimento feito via empréstimos (ou seja, com retorno aos cofres públicos) só correspondeu a um mês de educação, as principais obras logísticas foram entregues e aí estão para servir à população, não houve caos aéreo etc. Provamos, portanto, que a América Latina, que o “B” dos BRICS que orgulha o continente por ser isto diante do mundo, é capaz de organizar eventos deste porte, esportivos ou não. Isso é uma projeção simbólica do nosso potencial de desenvolvimento, ícone destes tempos de prosperidade, do “norte” ser o Sul, do South American Way. Nada melhor que o desfecho ser não permitir que a taça vá para o Atlântico Norte.
A integração regional avançou politicamente em muito com as tentativas de atualizar o Mercosul para além de um bloco comercial, a criação da Unasul e da CELAC e a recente “tomada” da OEA pelos governos latino-americanos. Contudo, para se falar dela como algo efetivamente concreto alguns passos adiante são imprescindíveis, como a integração logística e a cultural, sendo que, sem a primeira, a segunda passará por sérias dificuldades.
Ambas tem dilemas comuns, apesar das naturezas aparentemente distintas. A logística carece de um financiamento de peso, estatal e/ou privado, para projetos realmente de integração, que envolvam o interesse estratégico de mais de um país e da região como um todo e não uma obra aqui e outra ali dentro de cada território. A cultura sofre um impasse semelhante, que é o dos povos se valorizarem mutuamente, conhecerem o continente, quererem conhecer uns os países dos outros e terem um mínimo de consciência do que os une na tragédia do passado e nas oportunidades de futuro. Em suma, ao invés de alguém querer economizar para ver a neve no Central Park, ir às geleiras de El Calafate.
Aí entra a discussão da rivalidade. Ela esconde artimanhas seculares que faz com que argentinos e brasileiros não possam admitir a felicidade recíproca, cujas expressões mais explosivas se dão justamente neste terreno da paixão.
A rivalidade entre brasileiros e argentinos tem um pretexto futebolístico, mas foi há muito semeada para separar politica e culturalmente os dois gigantes do Cone Sul. Esta é a questão de fundo, muito diferente de rivalidades entre clubes de uma cidade ou de um estado, que começou lá nas comunidades, nos certames de várzea. Fazendo o caminho inverso, da política à economia, da economia à logística, da logística à cultura, a integração regional deve superar este entrave.
Os brasileiros conseguiram torcer pela Costa Rica, pela Colômbia, pelo Equador, até mesmo para a Celeste com o ex-fantasma de 1950 (que agora virou conto de terror germânico). Maradona torceu pelo Brasil em todos os jogos. É mesmo impossível torcer pela Argentina?
Uns falam dos brasileirinhos que já estariam traumatizados ao assistirem à goleada de 7×1 sem nunca terem visto o país ganhar um título, final dos tempos para eles, então, se tiverem que ver a Argentina recebendo o troféu de campeã mundial pelas mãos da presidenta do Brasil em pleno Maracanã. Oras! Sequer o Brasil está na final! Será que é impensável considerar a felicidade dos “argentiniños”, emocionados ao poderem assistir pela primeira vez esta cena tão marcante e especial? E ainda mais no solo pátrio da América Latina?
Acho até bom que os brasileirinhos, não podendo ver o Brasil levantar a taça por obra pura e simples da caixinha de surpresas que é um jogo de futebol, ver a Argentina ganhar e não chorarem e, sim, orgulharem-se de, ao menos, o troféu ter ficado aqui e não no além-mar. Forma uma geração que não precisará ter como tabu dizer que admira Maradona ou que curte o estilo de jogo argentino. E isso sem precisar deixar de viver o clima concorrente de um bom Brasil x Argentina quando tiverem a oportunidade, com as brincadeiras naturais da rivalidade do jogo concreto.
O status de mega evento favoreceu a quebra das barreiras logísticas e permitiu a descoberta da Copa Latinoamericana. Agora, é hora de transformar este caldo em ingrediente da reforma cultural da integração e aplaudir, se for para ser assim, a conquista argentina e dizer, para o desespero dos Mervais da vida, que, não, isto não será um problema para Dilma, governo, PT, nem para a população. Isto é apenas o início da construção de um efetivo projeto regional de desenvolvimento (reforma das instituições da gestão da bola incluída!).
Leopoldo Vieira é Assessor Especial da Secretária de Planejamento e Investimentos Estratégicos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.
Postar um comentário