LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Giannetti defende o ensino pago nas universidades


Por IV AVATAR, via Jornal GGN
Em palestra em Campinas, no evento "A economia Brasileira: Desafios ao seu crescimento",  Eduardo Giannetti, um dos gurus de Marina Silva para a economia, defende o ensino pago nas universidade públicas, pelo menos para os estudantes que podem pagar e, segundo ele, os que fizeram nível médio em escola particular, podem pagar ensino universitário. Diante disso, fiz uma pesquisa para saber quem seria atingido com esta medida e achei um artigo que me responde a dúvida, este artigo de Wladimir Saflate, embora não seja uma resposta à Giannetti, é interessante. Como exemplo, ele diz que uma familia que ganha 10 mil reais por mês teria que escolher, dentre os filhos, um deles para ingressar na universidade, como ocorre no Chile.
***
da Folha
Publicado em 17/06/2014


Pagando a conta, por Vladimir Safatle



Contra essa pretensa espoliação, não se apresentam novas formas de financiamento para assegurar a gratuidade e o maior número de vagas. Ao contrário, com esses amálgamas, só mesmo possíveis no mundo invertido do liberalismo brasileiro, procura-se passar a ideia inacreditável de que universidades pagas seriam socialmente mais justas. Essa ideia, no entanto, não tem sustentação alguma.
Segundo esta mesma Folha informou, algo em torno de 60% dos estudantes da Universidade de São Paulo vêm de famílias que ganham até dez salários mínimos (ou seja, até R$ 7.240). Digamos que essa "elite" devesse pagar mensalidades de R$ 2.000 por aluno matriculado na universidade. Para alguns, "justiça social" significa tal família ser obrigada a pagar quase 30% de seus salários para que seus filhos estudem em uma universidade pública.
Imagine se essa família, ou mesmo uma família que ganhe R$ 10 mil, tiver dois filhos estudando em universidades. Como no Chile de hoje, ela deverá escolher um dos filhos para seguir na vida acadêmica. Um belo exemplo de justiça.
Neste ano de eleição, colocar tal tema em pauta mostra a inanidade de nosso debate político atual. Ela mostra também o quanto a classe rica deste país está disposta a fazer para defender seus rendimentos. Deveríamos estar debatendo formas de taxar os realmente ricos para financiar melhor as nossas universidades públicas. Países como o Uruguai, que conseguiram conservar sua educação pública, têm impostos exclusivos para a educação.
No entanto, estamos a debater como espoliar a classe média para evitar usar a capacidade de contribuição dos muito ricos para financiar nossos serviços públicos.
Uma universidade como a USP representa 25% de todas as pesquisas feitas neste país, mesmo sendo administrada de maneira, no mínimo, temerária, como mostraram os resultados da nossa última reitoria. Muitos gostariam de impedir o Estado de financiar tais pesquisas submetendo-as aos interesses imediatos do mercado, transformando-nos em pesquisadores pagos por indústrias farmacêuticas, multinacionais, empreiteiras, bancos e outros amantes do saber desinteressado.
Postar um comentário