LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Com as campanhas sob censura a pedido de Aécio, cresce a importância dos multiplicadores pelas redes e nas ruas


Via Blog do Pedro Porfírio

Estamos na semana mais importante da história do Brasil neste desafiador Século XXI.

De olho muito mais no que poderá vir de um novo governo Dilma oxigenado pela inquietação das ruas, pelas exigências de mudanças que levaram milhões a aguerridos protestos, o sistema de dominação de classes e preservação da pirâmide social injusta está jogando toda a sua máquina mortífera para eleger um celerado forjado na estirpe do sangue azul da política: um "herdeiro" que fez sua fortuna à sombra do patrimonialismo, ao ponto de construir com dinheiro público aeroporto em fazenda da família, isso depois de fazer o percurso da improbidade mais imoral.

Ele quer ser presidente. Já pensou?
Aos 17 anos, enquanto surfava em Ipanema, onde tem residência lúdica, recebia salário da Câmara Federal comofantasma do gabinete do próprio pai, um deputado federal medíocre do partido do sim, senhor da ditadura. Aos 25 anos já ocupava por INDICAÇÃO POLÍTICA o cargo de diretor da Caixa Econômica Federal.

Ao longo de seu envolvimento com os podres poderes esse desequilibrado dado a atos insanos (e mais outros) foi o que restou ao sistema para assestar o mais pérfido golpe para trazer de volta os insaciáveis grupos cuja maior marca foi a de 8 anos deprivatizações-doações, junto com o lixo da ditadura que não aceita qualquer menção aos seus crimes hediondos, com ocultação de cadáveres, isto é, o desmascaramento para a história de um regime que fez da violência institucional sua base de sustentação.   

Não se iluda: há milhões de moeda sonante envolvidos nessa operação de retrocesso, há mercenários capazes de tudo, há um jogo de manipulações da mentira, inclusive com divulgação de pesquisas destinadas a influir na decisão dos eleitores, há expedientes torpes, há de tudo, por que derrotar Dilma é uma obsessão estratégica do sistema internacional, como escancarou a revista britânica The Economist, bússola do sistema financeiro internacional.

Por fim, já no apagar da luzes, esse mesmo poderoso esquema aterrorizou o próprio TSE e o obrigou a engessar a campanha, com o que Dilma não pode falar sequer do público e notório, como a construção do aeroporto no terreno da família e a noite em que o "presidenciável" se recusou a soprar o bafômetro numa blitz da Lei Seca no Rio de Janeiro, quando dirigia com carteira de motorista vencida.

Essa decisão sem precedentes foi objeto de um belíssimo artigo deJânio de Freitas na Folha de São Paulo:

"A partir de uma apelação de Aécio Neves, o Tribunal Superior Eleitoral tomou duas decisões que caracterizam censura à liberdade de informação jornalística e à liberdade pessoal de expressão, mesmo que para expor fatos. É no mínimo duvidoso que o TSE disponha de poderes para impor as duas medidas, que se incluiriam em atribuições do Congresso e, até onde se pode saber fora dos doutos tribunais, opõem-se a princípios da Constituição".

Com a propaganda eleitoral sob censura, só resta o "boca a boca"dos que não querem a volta ao império do sistema financeiro internacional, através do já brasileiro-norte-americano Armínio Fraga, um  dos mais fiéis serviçais do megaespeculador George Soros, cujo  Soros Investment Fund, passou a gerenciar em Nova York, depois de sua primeira passagem pelo Banco Central, ainda como diretor de assuntos internacionais do Banco Central. Foi de lá que foi catapultado para voltar ao BC em 1999, já como presidente e todo poderoso gestor da macroeconomia.



Em sua gestão, os juros chegaram a 45%, juntando-se a isso o arrocho salarial e a taxa oficial de desemprego de 15%, contra os 5% do governo Dilma.



Com o peso das redes da internet, milhares de patriotas poderão usá-las para fazer os necessários esclarecimentos que a grande mídia sonega. Mas na medida de suas possibilidades, todos devem fazer o corpo-a-corpo junto aos companheiros de trabalho, vizinhos, conhecidos, seja o que for.

Eu mesmo, com a saúde ainda abalada por um câncer no fígado, diabete e hipertensão, já com os 71 anos de idade, estou me dedicando de corpo e alma à defesa do povo brasileiro através do apoio à Dilma Rousseff como única esperança de uma mudança real, que cobrarei com o mesmo empenho com que me envolvi em sua campanha.

O pior que pode nos acontecer, mais do que o tumor que estou combatendo, será a eleição do candidato das elites insaciáveis, do sistema internacional e do atraso. Se essa desgraça acontecer, a cartilha reacionária voltará a imperar e todo o peso da sua política econômica recairá sobre os assalariados e os aposentados já tão sacrificados desde a política previdenciária de FHC. Desse risco não estão livres nem os da alta classe média, que já passaram por um susto naquele governo trágico do "caçador de marajás".


Sejamos, pois, os multiplicadores da verdade. Nesta hora, neste país continental, a DILMA SOMOS NÓS.
Postar um comentário