LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

O Planalto de Kafka




A divulgação de duas listas complementares --a de 28 políticos arrolados na delação premiada de Paulo Roberto Costa (19/12) e a de 13 ministros indicados por Dilma Rousseff (23/12)-- deram um toque de absurdo ao Natal de 2014. É tal a proximidade entre uma e outra que a presidente chegou a consultar, sem sucesso, a Procuradoria Geral da República para evitar repetições. Parece anedota: "Em que lista você entrou?". "Na da Dilma". "Ufa!".

Tem mais. Depois de entregar a política econômica à direita, tendo feito uma campanha classista, a nomeação de símbolos conservadores para outras pastas sem, por enquanto, qualquer compensação à esquerda, somou o insulto à ofensa. A presidente parece uma personagem de Kafka, condenada a cumprir papel que sabe não ter sentido. Senão, vejamos.

A duras penas, graças à manutenção do emprego e da renda, ela conseguiu recuperar e manter parte da alta popularidade que tinha até as manifestações de junho de 2013. Agora, por meio de Joaquim Levy, vai serrar o galho no qual está sentada em nome de uma austeridade feita para agradar o capital financeiro que sempre a odiou e ela combateu. Pior: a cada rodada, os novos "amigos" da presidente vão exigir mais austeridade para resolver os problemas que a própria austeridade vai criar.

De outro lado, com o megaescândalo da Petrobras, o intuitivo seria Dilma nomear um honrado ministério técnico de alto nível. Além de ser compatível com o seu próprio perfil, isso a blindaria contra qualquer possível denúncia. Porém, por mais paradoxal que pareça, à medida que as revelações prosseguem, a presidente fica refém da opção oposta.

Ocorre que Dilma precisa munir-se agora da maior base congressual possível, pois quando o navio começar a balançar, os mais fisiológicos irão rápido para a oposição, tornando o palácio alvo de isolamento e a chantagem. Mas para montar tal suporte, ela precisa recorrer exatamente àqueles que estão na mira da Operação Lava a Jato. Afinal, simplesmente não há outras forças com as quais possa se aliar.

Em outras palavras, para proteger-se do escândalo, precisa apoiar-se nos que estão nele enredados. É como tentar avançar caminhando sobre areia movediça com um peso enorme nas costas.

Para completar, tendo a Petrobras papel produtivo central --por vezes portadora de mais investimentos que a União--, os danos provocados na companhia podem ter também repercussão econômica. Para não falar do que significa paralisar as maiores empreiteiras do país. And last but not least: o solavanco russo da semana passada acena com a possibilidade de turbulência externa.

Apesar do cenário ruim, desejo a todos o melhor 2015 possível.
Postar um comentário