LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

RECIFE. CIDADE PARA POUCOS.

"...Você samba de que lado/ de que lado você samba..."

Hoje iniciam as medidas restritivas de acesso ao Recife Antigo, consolidando uma política de exclusão social assustadora e que pode ter graves repercussões éticas.
Vamos ligar os pontos?
- Recife Antigo literalmente ilhado, com revista seletiva (leia-se, revista de negros e pobres) em todas as pontes de acesso.
- Proibição de comércio informal na área do Marco Zero, sem pipoqueiro, sem raspa-raspa.
- Transformação de uma área que seria parque público, com vista linda para o rio e o mar, em estacionamento e, ocasionalmente, em área de camarote ou shows privados.
- Várias tentativas de camarotização do nosso carnaval popular e de rua, felizmente frustradas pela sociedade civil.
Ligando os pontos, o desenho que surge é o de uma cidade com muitas cancelas e interdições.
A escolha do poder público por esse modelo de cidade para poucos, para a elite, é preocupante. Hannah Arendt, em As Origens do Totalistarismo, nos mostra como a perseguição aos judeus iniciou com essas cancelas. O ódio aos judeus começou criando uma ideologia de que os judeus não pertenciam ao mesmo ESPAÇO físico que os alemães.
É exatamente isso que está sendo promovido pelo governo do Recife: uma política higienista que quer convencer a classe média de que os pobres não podem dividir o mesmo espaço que eles.
Os Armazéns do Porto (espaço de lazer e gastronomia muito agradável, bonito e que atende uma demanda que precisava ser contemplada), no lugar de promover INTERAÇÃO entre os públicos que já frequentavam o Recife Antigo com o público novo, mais rico, que chega agora a partir dessa nova oferta de lazer, está promovendo uma verdadeira cultura de ódio de classes, segregacionista e de intolerância para com os diferentes.
A mais do que indesejada violência que tem se alojado no bairro, com arrastões e brigas de gangue, poderia ser combatida com serviço de inteligência da polícia, prevenindo e reprimindo quem de fato é criminoso, e não rotulando genericamente a população de classe baixa como potencial criminosa. Nem preciso dizer que outros serviços públicos, como assistência social, poderiam enfrentar a raiz do problema e acabar com a violência desde sua origem, pois algo está errado quando jovens vêem na violência uma via de escape e de manifestação.
Uma política de segurança pública honesta, que garantisse a segurança e o conforto de TODAS as famílias e grupos sociais que pretendem ocupar o espaço do Recife Antigo, deveria ter outras premissas.
Mas a política de segurança pública escolhida é mais um reforço de ideia de que A CIDADE NÃO É PARA TODOS, E SIM PARA POUCOS. De um modelo de cidade higienista e racista.
Uma das premissas para entender direito à cidade é compreender que a forma como ocupamos o espaço da cidade é antes de tudo uma escolha ética sobre como vamos lidar com os outros e outras que ocupam conosco esse espaço.
A política higienista que está em curso no Recife está sedimentando uma cultura de ódio e terror. Está na hora de começarmos a debater essa escolha ética.
Qual é a cidade que queremos?
******

Camarotização: por que o brasileiro gosta tanto de segregar o espaço?

Para especialista, o acesso das camadas mais populares ao que antes era exclusivo da elite fez com que o racismo e discriminação "saíssem do armário"

Conteúdo completo: http://brasil.elpais.com/brasil/2015/01/17/politica/1421520137_687513.html

Postar um comentário