LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

A ficha de Eduardo Cunha, o homem que falta para “moralizar a política”

moralidade

Fernando Brito, via Tijolaço

O repórter Luiz Fernando Vianna, além do excepcional autor de joias como Aldir Blanc: Resposta ao tempo, é profissional daqueles que da raia não correm e nem recorrem às meias-palavras.

Hoje [30/1], na Folha, ele descreve, com crueza, o que é a possível eleição de Eduardo Cunha como presidente da Câmara, já, já, no domingo, dia 1º/2. É o que falta, mesmo, para a moralização da política neste país.

Um homem que faz a gente ter saudade do Severino Diretoria que Fura Poço Cavalcanti. Cunha não fura nada. A não ser a hipocrisia da oposição brasileira ao proclamar-se campeã da moralidade.


Luiz Fernando Vianna


Desde Célio Borja em 1975, um representante do Rio de Janeiro não se elege presidente da Câmara dos Deputados. O tabu de 40 anos pode ser quebrado no domingo com a vitória de Eduardo Cunha. Que legal, não?

Resposta de quem acompanha um pouquinho a política do Rio, dominada há 12 anos pelo partido-empresa de Cunha, o PMDB: não.

O resultado poderá coroar aberrações que passaram a ser aceitas como verdades. Exemplos:

1) ser político é um ofício da iniciativa privada, tão bem-sucedido quanto maior for a ingerência sobre o destino de recursos públicos –que deixam de ter destino público;

2) a função primeira do Legislativo é chantagear o Executivo para conseguir o máximo de cargos e verbas. É um jogo que zera após cada votação importante, o que o torna interminável e de rentabilidade segura. Não se discutem projetos para o país, mas oportunidades de negócio;

3) em sendo uma categoria profissional, os políticos precisam ser representados por associações de classe, que organizam suas reivindicações. Eduardo Cunha é um líder sindical, um Lech Walesa do submundo político brasileiro.

Em fevereiro de 2005, Severino Cavalcanti foi eleito pela maioria fisiológica da Câmara, desafiando o governo Lula. Em maio, anunciou seu preço: indicar um nome para “aquela diretoria que fura poço e acha petróleo” na então forte Petrobras. Caiu em setembro acusado de receber um mensalinho de R$10 mil do concessionário do restaurante da Câmara.

Saudades de Severino. Era um amador, praticante do fisiologismo-arte. Cunha joga o fisiologismo-força.

Firme em sua milionária campanha, indica se sentir inalcançável pela Operação Lava Jato. O juiz Sergio Moro vai ficar devendo essa ao Brasil.

Se vencer, Eduardo Cunha entrará nos anais do Rio. E de todos os brasileiros
Postar um comentário