LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

EUA podem considerar uma ação militar contra Venezuela



O analista político e ex-vice-presidente venezuelano José Vicente Rángel, disse nesta segunda-feira (16) que os EUA podem considerar uma operação militar contra o seu país.

"Golpe de estado bem sucedido, sem militares? Impossível! Rebelião popular, bem sucedida sem povo? Impossível! Triunfo eleitoral, sem oposição séria? Impossível! O que fazer? Só falta uma invasão armada", ponderou o jornalista em sua coluna O Espelho, no jornal Últimas Notícias.

Talvez pareça exagerado falar isso, disse ele, porque é algo que se choca com as práticas civilizadas que se exaltam hoje, mas na hora da verdade, os poderosos e seus lacaios as pisoteiam.

De acordo com Rángel, a opção de invasão é envolta na falsa defesa de direitos humanos, a reivindicação da Carta Democrática, o respeito a democracia e liberdade, quando na verdade o que eles querem é destruir a soberania nacional, as mudanças sociais e o retorno das elites ao poder.

Ele lembra que os Estados Unidos têm testado contra Venezuela todos os formatos para acabar com o processo bolivariano, desde o golpe de estado, até a sabotagem petroleira, os 'guarimbas' (violência de direita), a guerra econômica, o terrorismo, as campanhas midiáticas e o bloqueio parcial, "e o resultado foi sempre a derrota."

O ex-vice-presidente citou entre os argumentos de sua análise, a previsão do general norte-americano Vincent Stewart, diretor de inteligência do Departamento de Defesa sobre uma possível onda de protestos violentos coincidir com as eleições parlamentares deste ano no país.

"Como este alto funcionário sabe disso? Quem forneceu os dados? Ele conseguiu através dos canais de oposição interna que o governo dos EUA mantem para descobrir o que está acontecendo na região?", se perguntou Rángel a respeito da declaração desse general perante uma comissão da Câmara dos Deputados.

A explicação para mim é que a cada dia se torna mais evidente que a Venezuela é considerada pelo governo dos EUA como um assunto que compete mais ao âmbito militar do que ao diplomático, acrescentou.

Washington deveria abster-se de apelar para aventuras. A lamentável experiência neste tipo de ação deveria servir como um alerta, mas a história mostra que os impérios sucumbem à tentação de subjugar os povos. Não suportam que sua vocação de domínio encontre resistência em nações que desprezam, disse.

O ex-vice-presidente exortou os venezuelanos a "cerrar fileiras e estar alerta. Na situação que vive o país, não tem lugar a imprevisibilidade. É preferível prevenir do que flertar irresponsavelmente com o despreparo", concluiu.

No IslaMía
Postar um comentário