LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Medicina: as alternativas cubanas




Cuba desenvolveu há sessenta anos uma medicina única no mundo, que alia a medicina moderna à medicina natural e tradicional. A ilha caribenha obtém hoje os melhores resultados do continente em matéria de saúde

Anne Vigna e Gabriela Ordonez*, via Diplomatique
Após o restabelecimento das relações diplomáticas com Cuba, os Estados Unidos não poderão mais ignorar que a ilha obteve durante os 52 anos de isolamento diplomático e econômico resultados “espantosos” em matéria de saúde. “Espantosos” porque o país, que não abriga nenhuma das grandes indústrias farmacêuticas mundiais, obtém os melhores resultados do continente americano em matéria de saúde: a expectativa de vida (76 anos para os homens, 81 anos para as mulheres) é a melhor do continente e a mortalidade infantil é a mais reduzida: 4,8 mortes para cada 1.000 nascimentos em Cuba, contra 12 no Brasil e 6 nos Estados Unidos. Durante uma visita a Havana em julho de 2014, Margaret Chan, diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), se mostrou muito impressionada pelas conquistas na área. “Desejamos ardentemente que todos os habitantes do planeta possam ter acesso aos serviços médicos de qualidade, como em Cuba”, declarou. E, com efeito, qual país pode se gabar hoje de oferecer gratuitamente à sua população uma medicina alopática, claro, mas também a opção “medicina natural e tradicional”? É preciso reconhecer… nenhum… e sobretudo seu poderoso vizinho, que nessa área fracassou tremendamente.
Então o que aconteceu para que Cuba provoque hoje as grandes potências com resultados tão indecentes? Em primeiro lugar, é preciso lembrar que a saúde e a educação são os dois objetivos principais da Revolução. Os cubanos investiram os meios que tinham, mas fizeram isso de maneira inteligente para alcançar esse objetivo custe o que custar. Che era médico, Fidel Castro sempre foi apaixonado por medicina e, como veremos, Raúl Castro é um fervoroso defensor da “medicina natural e tradicional”. Cuba primeiro formou um número recorde de médicos, enviados pelo mundo em missões, primeiro numa função humanitária e depois por diversos anos em uma função econômica, para auxiliar as deficiências dos sistemas de saúde. O Brasil, por exemplo, “emprega” cerca de 10 mil médicos cubanos (dos 14 mil médicos do Programa Mais Médicos) via Organização Pan-Americana da Saúde para oferecer um serviço de saúde a uma população que até então estava privada dele, e onde os médicos brasileiros não desejavam se estabelecer. Hoje o mundo descobre surpreso que a maior brigada médica contra o vírus ebola na África é cubana…
No entanto, o mundo ficaria ainda mais espantado se passeasse pelo sistema de saúde cubano, em particular o formado há cerca de vinte anos, reagrupado sob o termo de “medicina natural e tradicional”, ou MNT. Mais uma vez, é preciso voltar no tempo para entender o que aconteceu. Quando Cuba se tornou um parceiro do bloco comunista nos anos 1960, as trocas se multiplicaram entre “países comunistas” em diversas áreas, principalmente no que se refere às Forças Armadas e à saúde. Foi assim que os cubanos aprenderam com os militares vietnamitas e chineses que a acupuntura pode salvar quando não se tem mais nada à mão. “É sempre surpreendente perceber que as experiências em matéria de saúde natural foram levadas a sério nos hospitais militares em Cuba. É por isso que, quando Raúl Castro se tornou presidente, ele oficializou a medicina natural, pois conhece os resultados e avanços nessa área. Para nós, ter um apoio no mais alto escalão do Estado sempre foi uma grande sorte”, explica Concepción Campa, diretora do Instituto Finlay em Havana, o maior instituto de vacinas da ilha e um dos maiores da América Latina. Quem diz “vacinas” não pensa geralmente em “medicina natural”. No entanto, o instituto realiza, paralelamente à sua produção de vacinas, há cerca de quinze anos, experiências inéditas para tentar encontrar soluções para patologias. Entre essas experiências, desenvolveu a fitoterapia, a homeopatia e a macrobiótica. Foi assim que a organização, que procurava desenvolver estudos sobre a alimentação no início dos anos 2000, abriu suas portas para a associação italiana de macrobiótica Un Punto Macrobiótico, de Mario Pianesi. Os italianos enviaram a Cuba especialistas em macrobiótica e o Instituto Finlay realizou os testes clínicos que depois iriam validar o método. Primeiro, trataram um grupo de crianças autistas: ainda que a patologia não seja muito frequente em Cuba, ela está cada vez mais ligada a uma má alimentação. “Os resultados foram muito encorajadores para o autismo, então continuamos com um grupo de crianças que sofria de doenças autoimunes crônicas”, acrescentou a diretora. Foi esse grupo que encontramos em um sábado de manhã para uma sessão de ioga: todas as oito crianças presentes têm dores articulares agudas. Além da alimentação macrobiótica, a ioga faz parte de sua terapia. Pais e crianças seguem o curso como fazem com a macrobiótica. Christopher Hernandez Infante, de apenas 12 anos, sofre há um ano de artrite crônica na perna. Sua mãe o levou a diversos especialistas antes de se dirigir a Finlay. “Há alguns meses totalmente sem açúcar, devo reconhecer que ele vai bem melhor. Ele tem bem menos dor, consegue se mexer de novo, quase como antes”, conta sua mãe.
A traumatologista Santa Gomez, chefe do Serviço Nacional de Traumatologia de Cuba, só conheceu a macrobiótica há cinco anos. Desde então, está convencida da eficiência do método: “A alimentação é realmente a chave. A maioria das crianças chega aqui mal alimentada, com uma alimentação pobre demais ou rica demais. Com a dieta macrobiótica, conseguimos reduzir sua dor e, depois, os remédios esteroides e citostáticos que elas têm de tomar”, explica. O instituto recomenda a macrobiótica para uma série de patologias crônicas, entre as quais as mais evidentes são a diabetes, a hipertensão e a obesidade, mas também contra hepatite, câncer, doenças renais e problemas dermatológicos. Como a política de Cuba em matéria de saúde é pautada na prevenção das doenças, o instituto organiza a cada mês cursos de descoberta da macrobiótica em um espaço anexo. O método ainda é o dos italianos e o conceito parece, com efeito, evidente: “Se melhoramos a alimentação, as chances de ficar doente se reduzem amplamente”, explica Talaine González, nutricionista e responsável pelos cursos.
É assim que a macrobiótica, englobada no conceito de “orientação alimentar naturista”, faz parte dos dez métodos de medicina natural e tradicional reconhecidos e praticados em Cuba. Ao lado das dietas alimentares encontram-se a acupuntura e suas diferentes técnicas, a fitoterapia, a apiterapia, quer dizer, a utilização dos produtos das abelhas, a homeopatia, a terapia floral de Bach, os exercícios terapêuticos tradicionais (o qi gong, o tai chi chuan, a ioga), a hidrologia médica, ou seja, a utilização das águas minerais e da argila, a talassoterapia (os benefícios do meio marinho) e, por fim, a terapia de ozônio, ou ozonoterapia. Trata-se de terapias naturais que o resto do mundo conhece mal ou pouco: algumas foram herdadas das tradições asiáticas (acupuntura, qi gong etc.), outras vieram da Europa (florais de Bach, homeopatia) e outras ainda se desenvolveram em Cuba, uma ilha cujos habitantes viram que o mar, o sol, o lodo, a argila e as algas poderiam ser terapêuticos (hidrologia, talassoterapia). “Desde 1995 temos em Cuba uma especialidade em medicina natural, mas também diplomas para cada terapia. Por exemplo, um psiquiatra pode cursar uma formação em ‘terapia de Bach’, ou um pediatra, um módulo de ‘homeopatia’. Agora todos os estudantes de medicina recebem uma formação em MNT, pois para nós não existe nenhum antagonismo entre MNT e a medicina moderna. As duas se completam e uma é mais adaptada que a outra em função das patologias e dos desejos do paciente. Alguns pacientes reclamam dos métodos naturais; outros, por sua vez, não suportam as agulhas. Cabe a nossos médicos se adaptarem”, conta Johan Pedromo, médico especialista em MNT e responsável por esse setor no Ministério da Saúde em Havana.
Concretamente, a medicina natural está em todos os lugares e é acessível a todos os cubanos: basta se dirigir a uma clínica de bairro para se dar conta. No bairro de Alamar, a 10 quilômetros de Havana, o consultório de medicina natural não fica mais vazio. Um médico especialista recebe os pacientes em consulta, enquanto a enfermeira administra os tratamentos. “Os cuidados são muito diferentes: esta manhã recebi uma mulher muito deprimida, para quem administrei a terapia de Bach. Na maior parte do tempo, porém, trato de dores com terapias chinesas: acupuntura, ventosas, massagens. Sem essas terapias, seria preciso administrar analgésicos”, explica a especialista Irma Plasencia Fellové. Ao lado dos pacientes, um homem de 60 anos recebe esta manhã sua terceira sessão de eletroacupuntura para uma inflamação no ombro: “Já me tratei aqui diversas vezes e confesso que estava desconfiado no começo se iria funcionar, mas, de fato, me faz bem”. A medicina natural também é muito utilizada no hospital. O especialista em MNT Jorge Luis Campistrous atende, em seu consultório no hospital universitário Comandante Manuel Fajardo, em Havana, a consultas externas. Na verdade, a medicina natural está presente em todos os serviços e em todos os andares: desde as urgências até a geriatria. “Na semana passada, de 640 pacientes recebidos nas urgências, 240 foram tratados com medicina natural, mas também 30% dos pacientes que estão em terapia intensiva, 32% em cirurgia, 50% que tiveram um infarto, e eu poderia continuar falando sobre todos os serviços”, explica o médico. Além das terapias naturais, o hospital utiliza produtos naturais fabricados em Cuba. Aí também a lista é longa… Primeiro uma linha de produtos homeopáticos do Instituto Finlay, óleos à base de ozônio e toda uma série de produtos à base de plantas: para tratar a asma e os problemas respiratórios, cuidar de micoses e feridas, contra a anemia, o colesterol, os problemas de circulação etc. Alho, goiaba, laranja, xaropes de orégano ou Aloe vera e os produtos das abelhas, como o própolis. Todos esses produtos não dependem do Ministério da Saúde, e sim do da Agricultura. São produzidos segundo regras estritas para obter uma eficiência máxima. “Primeira regra: nenhum produto químico, tanto no cultivo quanto no controle microbiológico. Aqui produzimos catorze plantas exclusivamente para a medicina verde. Segunda regra: devemos respeitar o ciclo natural das plantas. Por exemplo, a Aloe vera só pode ser colhida ao final de dois anos na terra, para que a planta tenha todos os seus princípios ativos”, explica Alberto Martinez, engenheiro agrícola na fazenda de plantas medicinais UEB, em Jovellanos, na província de Santa Clara. A alguns quilômetros dessa plantação, Isabel Maria Perez Vasquez, professora da Universidade de Jovellanos, mostra o que resta da “unidade agrobotânica experimental Ciro Redondo”, criada por Che no fim da Revolução e a qual a universidade espera restaurar. “Che tinha entendido a importância das plantas para o futuro. O objetivo da fazenda era principalmente pesquisá-las para conhecer suas propriedades curativas. Ele tinha enviado uma missão para buscar plantas na Amazônia brasileira, principalmente a moringa, que o Instituto Finlay comercializa hoje como complemento alimentar”, explica a professora de Economia. Concepción Campa sorri diante dessa evocação de Che: “É verdade que a moringa é uma planta excepcional e que Che nos deu um grande presente”. Suas folhas são muito ricas em elementos nutritivos (vitaminas, minerais e proteínas) e seus grãos purificam a água – dois aspectos fundamentais no mundo atual. A medicina natural, que o Che vanguardista tinha imaginado nos anos 1960, só conheceu um forte desenvolvimento em Cuba a partir do “período especial”, os anos 1990 e o afundamento do bloco comunista, uma época de penúria em Cuba, tanto em alimentos quanto em medicina. Em 2011, durante o sexto congresso do Partido Comunista Cubano, uma diretiva indicava “dar a máxima atenção ao desenvolvimento da medicina natural e tradicional”. “É a única que recebeu essa menção de ‘máxima atenção’, o que dá uma ideia da importância desse tema para o governo. Eu acho, porém, que seu desenvolvimento vai acontecer principalmente graças à população. É uma tendência geral hoje procurar o natural. Eu entendo que isso preocupe a indústria farmacêutica, pois é uma medicina muito eficiente”, conclui com um sorriso Concepción Campa, ao mesmo tempo que lembra que o desenvolvimento das vacinas homeopáticas foi efetivamente uma má operação financeira para o Finlay, mas a saúde contou mais do que o aspecto financeiro. Cuba não realizou estudos econômicos sobre a medicina natural, mas parece evidente que seu custo é bem menos elevado do que o da medicina dita moderna: um chá de alho parece menos caro do que um medicamento. Para o doutor Johan Pedromo, é evidente que essa medicina previne um dos problemas que teria um custo para o sistema de saúde: “Tomem o exemplo do qi gong, uma ginástica tradicional chinesa. Hoje sabemos que essa atividade melhora o estado emocional, a coordenação e a estabilidade das pessoas idosas. Então, ao praticá-lo vamos diminuir a taxa de suicídio e de depressão ligada à velhice, mas vamos também melhorar a coordenação e o equilíbrio, diminuir o risco de quedas e, por consequência, o número de fraturas da bacia. Mais amplamente, é reconhecido atualmente que essas técnicas de medicina natural melhoram a qualidade de vida dos pacientes. E isso não tem preço!”. No mesmo bairro de Alamar, cerca de vinte pessoas idosas praticam duas vezes por semana o qi gong. No final da prática, saúdam a professora com um “saúde e vida, uma arma da Revolução”. Um dos praticantes tem 88 anos… mas parece ter 70. E é fato: a saúde foi uma arma tão eficaz da Revolução Cubana que o país deve hoje cuidar de uma população idosa. Como em um país rico…
*Anne Vigna é jornalista e Gabriela Ordonez é acupunturista e professora de qi gong
Postar um comentário