LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

sexta-feira, 20 de março de 2015

Aos que não foram torturados...


A tortura, um dos maiores crimes contra a humanidade, foi ovacionada nas ruas por alguns jovens no último domingo. Além de integralistasmaçons e os ilustres Carecas do Subúrbio, representantes do regime militar também marcaram presença nas manifestações em todo o Brasil. 
Em São Paulo, essa minoria esmagadora contou com a participação de um ex-delegado do DOPS - o braço direito de Sérgio Paranhos Fleury, reconhecido por vítimas da ditadura como um torturador de mão cheia:
image
É bonito ver a juventude do bem nas ruas lutando contra a corrupção e saudando seus ícones. Enquanto os heróis da juventude transviada morreram de overdose ou lutando contra a ditadura, essa galera direita pode se orgulhar de ter seus heróis vivos e livres. 
O herói da foto se chama Carlos Alberto Augusto ou, segundo as inimigas da ditadura, apenas Carlinhos Metralha. De gravata borboleta e capacete da época de chumbo, esse senhorzinho querido disse à revista Trip:
“Carlinhos Metralha foi o apelido que os comunistas me deram porque me respeitam até hoje. (…) Conheço pessoalmente alguns desses delinquentes que estão ai. Não metralhei porque não tive essa oportunidade. Se tivesse, faria com o maior prazer!”
Depois de ser ovacionado pelos jovens, o vovô que teria prazer em matar pessoas foi convidado a subir no carro de som, onde gritou no microfone:
“O que eles querem por no Brasil é o regime comunista. O que eles querem por no Brasil é um terrorismo de Estado”
Há de se compreender o saudosismo desse bom velhinho. Na época dele tudo era mais simples e fácil. Duvidou da ética dos militares? Pau de arara! Tentou denunciar o regime? Choques elétricos! Naquele tempo, as notícias de corrupção não existiam e o cidadão não precisava se preocupar com isso. 
O senador Agripino, ex-prefeito biônico da ditadura militar e atual presidente do DEM, também esteve presente no protesto em Brasília. Diferente de Carlinhos Metralha, Agripino aparentemente não tem saudades do regime militar. Ele se tornou um verdadeiro democrata e está indignadíssimo com a corrupção no país: 
image
O curioso é lembrar que, recentemente, o empresário potiguar George Olimpio afirmou que o senador cobrou mais de R$ 1 milhão para permitir um esquema de corrupção no serviço de inspeção veicular
Não sei porque, mas tudo isso me lembrou o caso da padaria em Fortaleza. 
Postar um comentário