LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

quarta-feira, 22 de abril de 2015

PARA SE TORNAR POETA




As mulheres de Kobane:
Perdoem-me pela minha covarde ausência.


Beber umas piscinas olímpicas de uísque,
Outras de vinho e algumas de vodka.

Como vivemos num país tropical,
Amamos o mar e as tangas: Beber,
Um oceano de cerveja, apenas para hidratar.

Ter amigos que adorem a noite, a amizade e a magia.
Algum deles, com certeza, deve tocar violão:
E que todos cantem e dancem a Baco e a Eros.

Conhecer o amor, a paixão e a sua ausência:
A dor da solidão.
Trair e ser traído,
- quem não o foi, que atire a primeira garrafa vazia? –
Mas, nunca, mesmo diante da morte, ser desleal.

Perceber que o sexo é tão puro
Quanto ser criança;
Uma nuvem de Szymborska
Ou uma carreira de cocaína.

Amar e malamar, amar, desamar, amar,
- Não é, Drummond? -
Os amigos, os amantes, os poemas,
Os poetas, os perdedores, os alcoólatras, as putas,
Os viados, os aleijados, os oprimidos...
Não apenas, mas principalmente estes.

Nunca desistir do amor,
Pois, que sem ele, o poeta trava, enferruja,
Torna-se burguês:
E o poema passa a usar paletó e gravata italiana,
Sob o sol escaldante do verão nordestino.

Compreender que o dinheiro é um deus cruel e poderoso.
Buscar a verdade que é o caminho certo do ateísmo,
Que é o caminho certo da libertação.
Mas, se quiser crer num Deus,
Que ele seja feito a imagem e semelhança do oprimido.

Ser íntimo dos poetas mortos em suas estantes,
Em seus livros, em seu coração.
E dos vivos em sua cama.

Enfim, viver, intensa e apaixonadamente.
Que o poema seja a tradução da vida.
E o seu fazer, o seu lapidar,
A tradução da luta pela liberdade e pela igualdade,
Com as armas que nos oferecerem o nosso tempo.
Não é mesmo, Che?

Postar um comentário