LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Postura europeia em relação a migrantes africanos é escandalosa

migrantes_mediterraneo.jpg

Continente mostra preocupação apenas com a proteção territorial. Nenhum governo ou instância de países da África participa das reuniões sobre o problema.



A relação dos europeus com os náufragos nas suas costas expressa, da forma mais radical, a concepção predominante no Velho Continente, conforme o antigo adágio: civilização ou barbárie. A preocupação dos governos europeus é apenas a proteção do seu território, para que episódios dramáticos, como os que vêm acontecendo há tempos e se agudizando nas últimas semanas, deixem de ocorrer ou diminuam. Não há nenhuma posição em relação às causas da imigração.
É de tal forma escandalosa a postura europeia, que nenhum governo ou instância africana participa das reuniões que buscam soluções para os problemas. As únicas referências a governos africanos são ao Marrocos e à Tunísia, buscando apoiar ações que permitam dificultar a saída de embarcações – já que a Líbia, que antes funcionava como contenção para essa saída, agora nem sequer um Estado tem.
O que significa que os governos europeus nem cogitam atacar a raiz dos problemas, os que geram a imigração maciça para a Europa desde a África. As condições econômicas e sociais dos países africanos estão inquestionavelmente na origem do problema. E estas condições, por sua vez, têm raízes históricas diretamente vinculadas à Europa.
A África foi não somente explorada profunda e extensamente nos seus recursos naturais pelas potencias colonizadoras europeias, como foi vítima da mais brutal dos crimes – a escravidão. Milhões e milhões de africanos foram arrancados do seu mundo para serem transferidos para um continente alheio, para trabalhar como raça inferior, produzindo riquezas para a elite branca europeia.
Nenhum país ou continente pode resistir a esses mecanismos cruéis sem sofrer duramente suas consequências. A África foi colonizada até poucas décadas atrás e, mesmo com a independência, não mudou sua situação econômica e social, porque seguiu sendo explorada nos seus recursos naturais.
A imigração de africanos para um dos continentes mais ricos do mundo – em grande medida por ter sido colonizador e escravizador – é um fenômeno que ocorre já há algumas décadas. Porém, pelo menos uma parte desses trabalhadores imigrantes eram absorvidos, porque eram funcionais a um mercado de trabalho que necessita de mão-de-obra de pouca qualificação, para funções secundárias.
Porém, mesmo nesses momentos, foi se desenvolvendo um sentimento discriminatório muito forte, incentivado pela direita, diante de uma esquerda que tampouco sabia como tratar o tema. O medo de perder empregos – totalmente falso porque os africanos ocupam postos que os europeus não aceitam ocupar – e lugares nas escolas ou nos serviços de saúde funcionam como mecanismos de discriminação e hostilidade com os imigrantes.
Quando veio a crise econômica, que atinge frontalmente a Europa, em 2008 e ainda sem prazo para acabar, a África foi afetada de várias maneiras. Por um lado, a retração europeia foi exportada para os países africanos pela diminuição da demanda dos seus produtos e pela retração nos investimentos. E, por outro, especialmente em alguns deles, pela diminuição brusca do turismo, que em alguns países é um fator essencial para o emprego e a economia no seu conjunto.
Nestes anos de crise, as tentativas desesperadas dos africanos de chegar à Europa se intensificaram, enquanto que o desemprego e a expulsão de trabalhados imigrantes nos países europeus aumentou a crise. Como resultado das políticas de austeridade, no fim do ano passado foram reduzidos os recursos para a busca e tentativa de salvamento das vítimas dos naufrágios.
Como resultado dessa combinação de fatores, a quantidade de tentativas de chegada à Europa e o número de pessoas envolvidas nelas aumentou exponencialmente. Neste ano, o aumento faz prever um resultado total de mortos dez vezes maior do que em 2014.
E a Europa os trata como “bárbaros”, como “selvagens”, os desconsidera como seres humanos. Milhares morreram, outros tantos foram devolvidos para a África. Agora são considerados produtores de cenas e situações incomodas para os europeus. Estes não atuam para tentar evitar que os africanos sejam induzidos a viajar por suas necessidades, mas apenas tentam dissuadi-los pela força e pela demonstração de que a Europa não está disposta a recebê-los, menos ainda a ajudá-los a ficarem nos seus países, com o apoio econômico que a África nunca recebeu, minimamente, como ressarcimento dos sofrimentos impostos a ela pelos colonizadores.
Postar um comentário