LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Youssef bota Moro, a Justiça e o Brasil fazendo papel de tolos

homembom

Por Fernando Brito, via Tijolaço 
reportagem de Fausto Macedo, no Estadão, sobre mais um depoimento de Alberto Youssef (e depoimento pedido por ele, acreditem!)é estarrecedora.
Aquele a quem o juiz Sérgio Moro chamou de “bandido profissional” escarnece do próprio Juiz, em suas barbas, dizendo que “poderia ter ficado em casa” com o dinheiro que ganhou no caso Banestado, no qual firmou, com o mesmo juiz, um acordo de delação premiada, não faz muitos anos.
Mas, não. Homem bom que é, fez “um desabafo”:  preferiu investir o produto do seu crime profissional, “comprar empresas, gerar empregos e pagar impostos”…
Quer dizer que Alberto Youssef fez um acordo que não implicou na devolução do dinheiro desviado ilicitamente naquele caso?
Ou devolveu um pouquinho e ficou com o suficiente para “ficar em casa”, embora, heroicamente, tenha se dedicado a uma carreira de empresário com ele?
Youssef passou a perna no senhor, Dr. Moro, e não apenas por voltar ao crime, mas por ter ficado com o produto do crime que o senhor julgou?
O senhor nem pergunta como ele ficou com tanto dinheiro bem debaixo do seu nariz naquele acordo? Ou o acordo permitia a ele ficar com o produto do crime? Não posso crer, doutor…
Quantas vezes este finório atraiu negócios se gabando de ter passado a perna na Justiça e de estar em liberdade e perdoado, mesmo tendo ficado com uma bolada de dinheiro criminoso?
É este cidadão a quem em tudo se dá credibilidade e se divulga tudo o que diz como verdade?
Como, por exemplo, dizer que comprou um apartamento através de uma empresa e “pagava aluguel” a si mesmo para que suas filhas morassem em São Paulo?
E é ele quem está na condução do processo, escolhendo data e hora para produzir depoimentos do tipo “cocô de bode”, a conta-gotas, sempre com algo “sensacional” a revelar?
Youssef fala, quem quiser assista, relaxado, como quem escreve um livro de memórias, sem que juiz ou promotores o interrompam, questionem, busquem contradições.
Afinal, ele é ou não é um “bandido profissional”?
Ou vai-se agora falar dele como o “empresário” Alberto Yousssef, que podia estar tranquilamente em casa, mas foi roubar para “gerar empregos e pagar impostos”?
Postar um comentário