LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

terça-feira, 5 de maio de 2015

O dia em que o Secretário do Tesouro americano insinuou que FHC desviaria empréstimo do FMI para contas na Suíça



Os tucanos querem pousar de vestais para o povo como se fossem os homens mais honestos da nação. Agem assim porque contam com a falta de memória do brasileiro e com a conivência da imprensa nativa que trabalha diuturnamente para tornar a atividade política coisa de criminoso, afastando o já despolitizado eleitor da luta política, uma estratégia que se baseia na divulgação seletiva dos escândalos de corrupção, a rigor direcionados para atingirem um só lado do espectro político.

O caso mais emblemático dessa estratégia foi o "mensalão", tido e havido como o maior caso de corrupção desde a fundação da República, embora nenhum fato corrobore a tese. Seja pelos valores envolvidos no "esquema", seja pela falta de evidências que a comprovem.

Os 8 anos de governo de FHC foram pródigos em preencher manchetes e páginas de jornais com numerosos casos de corrupção. Mais de 450 inquéritos policiais foram engavetados pelo seu PGR, indicado sucessivamente ao longo de todo o mandato. Vários escândalos deixaram de ser apurados e os responsáveis punidos.

A pecha de governo corrupto percorreu o mundo e ficou saliente por ocasião de uma proposta de acordo feita pelo FMI visando proteger a economia brasileira de um ataque especulativo, durante a crise que assolava a Turquia e a Argentina, no ano das eleições presidenciais de 2002 que tinha o ex presidente Lula liderando como franco favorito para vitória depois confirmada pelo voto do eleitor.

O risco Lula era a razão das preocupações do fundo. A imprensa americana se posicionava a favor do empréstimo de 30 bi, o maior da história da instituição. As negociações emperraram e quem resolveu foi o governo Bush que pesou a mão sobre o FMI e mandou emprestar os recursos.

O apoio do governo americano veio por meio do Secretário do Tesouro Paul O'Neill que na finalização do acordo declarou à imprensa Yank: “Espero que esse dinheiro não vá parar na Suíça, em contas pessoais de políticos corruptos”. Uma referência clara ao governo de FHC que recebeu a notícia como um ataque pessoal.

FHC escalou seu ministro da fazenda Pedro Malan, o ministro das Relações exteriores, Celso Lafer, o embaixador nos E.U.A, Rubens Barbosa para reclamarem a Robert Zoellik, chefe da diplomacia comercial americana e homem próximo do presidente Bush das declarações do secretário do Tesouro. Até a embaixadora americana no Brasil, Donna Hrinak foi chamada ao Itamaraty para dá explicações.

O ministro das relações exteriores Celso Lafer tentou mas não conseguiu falar com a assessora de Segurança Nacional Condoleezza Rice. O acordo foi fechado e os E.U.A se retrataram.

O episódio acima revela a percepção que o governo americano tinha do governo FHC, bem como o desprezo que era dispensado a nossa diplomacia. Esse mesmo Celso Lafer em outro episódio foi obrigado a tirar os sapatos em um aeroporto nos E.U.A para uma revista.

Os tucanos não são flor que se cheire e nem de longe exemplo de ética e de moral com o trato da coisa pública. Sua má fama transcende as fronteiras do Brasil, apesar de agora estarem se achando e apropriando-se de um discurso que definitivamente não cabe em seu figurino.
Postar um comentário