LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

terça-feira, 2 de junho de 2015

A CRIMINOSA, MAIS CARA E IMPUNE REELEIÇÃO DE PSDB/FHC






[R$ 200 mil da época, valor não atualizado. Alguns confessaram, mas muitos receberam o equivalente a cerca de R$ 500 mil para votar a favor da reeleição daquele governo demotucano. A Justiça e a mídia jamais quiseram investigar quem comprou os votos e qual a origem do imenso volume de dinheiro. Hoje, debocham do povo fingindo-se honestos revoltados com a corrupção


[IMPUNE PORQUE A MÍDIA E A JUSTIÇA TAMBÉM SÃO DA DIREITA]


REELEIÇÃO QUE CUSTOU MAIS CARO AO PAÍS FOI A DE FHC

"Ao comentar a reforma política do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que acabou com a reeleição no Brasil, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) elogiou a medida e disse que a presidente Dilma Rousseff a "desmoralizou". No entanto, nenhuma reeleição custou tão caro ao País como a do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso/PSDB, em 1998 – e não apenas porque os votos dos parlamentares foram negociados por R$ 200 mil para aprovar a emenda constitucional. Antes de se reeleger, FHC manteve o real artificialmente valorizado e queimou praticamente todas as reservas internacionais do País. Resultado, a moeda foi desvalorizada em fevereiro de 1999, menos de dois meses após sua posse, e o Brasil se viu forçado, mais uma vez, a se ajoelhar diante do Fundo Monetário Internacional.

Do "Brasil 247"

"Durante a campanha eleitoral defendi o fim da reeleição e mandato de 5 anos para todos os cargos eletivos. Tivemos a experiência da reeleição. Não nos arrependemos dela, mas é preciso que tenhamos a capacidade de avaliar se foi boa e se foi ruim. Acho que a presidente da República acabou por desmoralizar a reeleição", disse, na quinta-feira, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), ao comentar a reforma política do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que eliminou a possibilidade de reeleição no Poder Executivo.

Aécio preferiu não lembrar que a reeleição foi instituída pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso/PSDB, numa reforma política que o beneficiou diretamente, com a mudança das regras do jogo em plena partida. Contando com intenso lobby midiático, FHC conseguiu aprovar, em seu primeiro mandato, a emenda constitucional que permitia a reeleição. Depois, esse acabou sendo o maior escândalo de sua gestão, quando se soube que cada parlamentar recebeu cerca de R$ 200 mil para votar a favor da emenda (relembre o caso em texto de Eduardo Guimarães).

A campanha à reeleição de FHC também contou com farto "caixa dois", segundo denúncias da própria revista "Veja". Um dos arrecadadores era ninguém menos que o atual vereador Andrea Matarazzo, que teria levantado recursos junto à "Alstom", empresa francesa que, anos depois, se viu envolvida no escândalo do metrô de São Paulo (saiba mais em Propina da Alstom ajudou a bancar a reeleição de FHC). No entanto, como os escândalos de corrupção da era FHC não eram investigados [e a mídia os escondia], nem a compra da reeleição, nem a arrecadação de propinas para a campanha presidencial de 1998 geraram punições. 

Custo econômico pesado

A compra de votos e a arrecadação de propinas compõem os custos da reeleição, mas o ônus para o Brasil foi muito mais pesado. Instituído em 1994, o Plano Real utilizou como fator de estabilização monetária a chamada "âncora cambial". Com o real artificialmente valorizado, os preços eram contidos. No entanto, desde 1995, eram evidentes os impactos negativos no balanço de pagamentos. Assim, a livre flutuação do real já vinha sendo cogitada desde 1995.

Naquele ano, o economista Persio Arida deixou a presidência do Banco Central, depois de perder um embate com o também economista Gustavo Franco, que o sucedeu. Persio pretendia desvalorizar o real, mas perdeu a batalha. A livre flutuação do câmbio voltou a ser discutida em 1997 e 1998, mas sempre acabou abortada em razão do fator político – se o real flutuasse, dizia-se, FHC não seria reeleito.

No entanto, para manter o real forte, eram necessárias medidas extremas, como, por exemplo, uma taxa de juros que chegou a superar 45% ao ano!!! Não por acaso, a era PSDB/FHC produziu uma explosão da dívida interna e um desemprego recorde na economia brasileira. E nada disso foi suficiente para evitar que, em fevereiro de 1999, menos de dois meses após a posse de FHC em seu segundo mandato, o real fosse desvalorizado numa das manobras mais atrapalhadas já vistas no setor público brasileiro.

Gustavo Franco se demitiu, a operação foi assumida pelo economista Francisco Lopes e acabou gerando os escândalos dos bancos "Marka" e "Fonte-Cindam". Por ter traído o eleitorado, que tinha a ilusão de que a política do real forte seria mantida, FHC viu sua popularidade despencar nos meses iniciais do segundo mandato. Mais grave ainda, como todas as reservas cambiais do País haviam sido queimadas para defender o real, o Brasil se viu forçado, mais uma vez, a se ajoelhar diante do Fundo Monetário Internacional.

Portanto, se algum governo desmoralizou a reeleição, foi o do ex-presidente FHC, que a instituiu. Lula, por exemplo, teve um segundo mandato mais bem-sucedido do que o primeiro. No caso da presidente Dilma, o começo da segunda gestão vem sendo turbulento, mas ainda é cedo para avaliar qual será sua marca na história."

FONTE: do portal "Brasil 247"  (https://www.brasil247.com/pt/247/poder/182792/Reelei%C3%A7%C3%A3o-que-custou-mais-caro-ao-Pa%C3%ADs-foi-a-de-FHC.htm).
Postar um comentário