LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Juízes que tiram isso todo mês dos cofres públicos podem julgar trombadinhas ou corruptos?


maraja

Por Fernando Brito, em seu blog
Quem olha a ilustração publicada hoje pelo jornal O Dia sobre os vencimentos e “vantagens” pagas aos desembargadores e juízes do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro não pode ter outra reação  senão a de nojo.
Depois de um levantamento das folhas salariais, o jornal constatou que 90% deles recebem acima dos  R$ 33.763, teto  determinado pela Constituição Federal.
Há um mar de penduricalhos – que o jornal lista – para chegarem a estas cifras astronômicas expostas pelo jornal e que não são exceções eventuais.
Dos 871 juízes e desembargadores 843 ganharam acima do teto. E 34 deles ganharam mais de R$ 80 mil em um mês.
Isso antes do projeto de reforma da lei da Magistratura que “eterniza” estes e cria novos privilégios.
Quantos cordões de ouro um trombadinha  tem de roubar para causar o mesmo prejuízo que uma destas suas Excelências causa todo mês, dentro da lei mas fora de qualquer critério moral aceitável?
Quem tira dos cofres públicos quase R$ 250 mil – repito, legalmente ou pelo menos de forma administrativa aceita  – pode julgar um servidor desonesto que arranje um jeito de levar 100, 200 ou até dez mil reais do Erário?
Não só porque quem drena assim o dinheiro da população não tem a austeridade necessária para quem pretende avaliar o comportamento alheio mas porque quem ganha isto não conhece, minimamente, a realidade dos seres humanos que ficam ali, diante de  seu martelo condenatório.
Aquele ladrãozinho seria ladrãozinho se  seu pai ou sua mãe ganhasse 10% do que ganha Sua Excelência?
Não, embora tivesse, talvez, os seus delfins possam ter outros desvios de condutas destes a que a riqueza excessiva e a falta de limites traz, mas não os que a sociedade, hipócrita, quer que seja castigado com prisão ou até a morte os pivetes.
Uma sociedade democrática, no Estado de Direito, tem de admirar e acatar seu Judiciário.
Se não se pode, em nome da decência, admirar quem aceita dar a si mesmo este tratamento de condes e barões, não é consequência que a lei se desmoralize junto com os que devem aplicá-la?
Os senhores juízes lembrem que são servidores públicos  e não o público o seu serviçal.
Postar um comentário