LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Os gays e os "religiosos"


Por Roque Braz *
 
A respeito daquilo que foi chamado excessivo na passeata gay, fazendo uso da magnanimidade de Jesus, um verdadeiro cristão teria dito, de si pra si e para todos: "Estão perdoados porque não sabem o que fazem". Mas não: seres humanos precisam de guerras. Creio que principalmente os religiosos, não é à toa o número de guerras religiosas da história humana.
 
Deus pode ser um, mas as religiões são múltiplas. Assim, cada uma tem o seu estilo de adoração. E o jeito de adorar ou de "servir" a Deus é que leva fatalmente ao conflito (com quem adora e com quem não adora). Daí, os religiosos não deixam em paz quem não se diz religioso... e quem se diz.
 
Os gays não pregam todos os dias nas igrejas e na imprensa que Deus é contra os heterossexuais, como o fazem os evangélicos contra os gays. Isto já é um claro exemplo do terror infligido a estes. Não é um juiz, um pastor, um padre, um deputado, um cidadão comum que não os admite. Segundo os religiosos é Deus que é contra os gays. É fácil suportar isto?
 
Quero dizer que, por conta disto, quando os gays atacam ícones cristãos não estão atacando Jesus ou Nossa Senhora, atacam, sim, os próprios carrascos, aqueles que os perseguem dia e noite. Aliás, a grande ironia é que Jesus e Nossa Senhora são símbolos de amor ao próximo (não têm nada a ver com o ódio e a falta de perdão daqueles que Os cultuam). Então, por que um religioso não é capaz de amar o próximo como a si mesmo, como a Bíblia ensina que Jesus mandou? Ou os homossexuais não são dignos de serem chamados de "próximo"?
 
Os evangélicos tratam os gays como doentes mentais, doentes físicos, etc. Aos mesmo tempo os gays são obrigados a ter comportamento de pessoas "normais", ou seja, trabalhar para sustento próprio, pagar impostos... Acho que alguém que já tenha sido obrigado a se sentir "um negro", segundo o entendimento religioso, entende bem como deve se sentir um gay.
 
Por falar em gay e negro e religião, o pastor Feliciano disse que "paira sobre os africanos (os pretos, claro) uma maldição divina" (de acordo com a Bíblia dele, claro). Ao mesmo tempo ele e o mundo evangélico acreditam que ser gay tem cura... E ser negro: tem cura?

* Roque Braz é poeta e compositor
Postar um comentário