LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

A NOIVA: "(Uma indiscrição: a morte não usa calcinha!)"

Autor?

Penso na morte,
e penso como uma obsessão.

Como se ela existisse, concretamente,
uma figura, uma mulher.

Muito melhor a morte do que o nada,
o nada: escuro, frio, infinito,
assim como o medo.

Espreito a morte, não como o fim,
mas como o desejo de todo mortal:
a imortalidade.

Sim, a imortalidade estaria na morte
tal e qual a imaginou Schopenhauer.

Imagino a morte
não como aquela figura assombrosa,
uma caveira, vestida de negro,
a ceifadeira à mão,
tirada de um poema da idade média
ou da pena de Gustavo Doré.

Imagino a morte com o rosto
da menina mais bonita
que amei em minha infância,
e olha que amei a muitas!

Aquela menina a quem nunca tive
coragem de me declarar,
pois, ou me faltavam palavras
(e eram tantas as que gostaria de
pronunciar, que se atropelavam
umas nas outras),
ou as poucas que eu conseguia balbuciar
saiam cansadas, de pernas bambas,
era mais difícil do que caminhar sobre muletas.

(Ah a poliomielite!)

Morte,
a mais linda menina de minha infância,
de meus sonhos, de minhas fantasias,

(ou as prostitutas bonitas, de saias curtas,
pernas grossas e sorrisos fáceis
que eu ousava olhar, apenas olhar,
pois o mais era pecado
e surgiam feito flores em terreno fértil,
às nossas vistas da ladeira da rua da zona
na cidade do Cabo de Santo Agostinho,
onde Pizon descobrira o Brasil
e eu o sexo)

mas já agora mulher,
os seios ferindo a leve roupa
com que está vestida.

(Uma indiscrição:
a morte não usa calcinha!)

Ao invés de ceifadeira,
a morte traz a sua mão
em oferenda à minha.

Um lindo sorriso
e uma boca de lábios grossos,
tudo anuncia,
e, com gestos leves,
a morte me convida
a partirmos em viagem ao seu reino. 

Existindo ou não outra vida,
ou sendo tudo um longo e eterno sono,
eu não sei,
sei apenas que foi uma boa morte
e eu gozei.



Postar um comentário