LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

NO BRASIL, MANDA QUEM PODE. LULA PODIA?


Manda quem pode, obedece quem tem juízo.  O axioma da brasilidade se aplica fora da condicionante do macho branco no comando?

Por Sergio Saraiva, via Oficina de Consertos Gerais e Poesia

O jornalista Luís Nassif, em seu artigo ”Porque não houve uma Lava Jato para FHC”, constata ou lamenta:

“… não se tenha dúvida que, em um ponto, ele [FHC] foi nitidamente superior a Lula: na capacidade de entender o jogo dos demais poderes de Estado – Polícia Federal, Ministério Público, Justiça – e saber conservá-los sob rédea curta”.

Igual modo, o professor André Araújo, várias vezes, já colocou que o poder do presidente da República de indicar os ministros do Supremo Tribunal Federal, do Procurador Geral da República e do Diretor Geral da Polícia Federal deve ser exercido de sorte a, no mínimo, não “criar corvos” e preferencialmente de ter, nesses cargos, aliados políticos. Isso como prática da real politique necessária à governabilidade. Cita, como exemplo, o presidente dos EEUU que não se constrange em usar seu poder discricionário quando isso for conveniente para a manutenção do seu governo. Tal faria parte do jogo de poder das democracias consolidadas.

Ambos, Nassif e Araújo consideram o “republicanismo” de Lula como um erro. Concordo com eles. Há, no entanto, no meu ver, outra questão a ser posta: quanto Lula podia mandar? E podendo, quanto saberia mandar?

Já perguntava Tom Zé: com quantos quilos de medo se faz uma tradição? O mando se aprende e se legitima como obra de gerações. O quartinho da empregada, o elevador de serviço, o banheiro e o refeitório da diretoria sempre foram instrumentos didáticos para a conformação dos nossos estamentos sociais.

Uma vez, em 2003, em Angola, perguntei a um colega se ele, um homem negro e africano, considerava Lula, o presidente brasileiro recém-empossado, como um homem branco. Lula era festejado, na África. Após alguns momentos de natural hesitação, ele respondeu: não.

Quando o poder nas Américas não foi branco, católico e europeu ou protestante e anglo-saxão? E quando essa não foi a caracterização das classes dominantes?
Pois bem, FHC pertence à classe social que manda no Brasil desde Tomé de Souza. Tem o mando e o reconhecimento do “direito” ao mando inscrito no nosso DNA social.

Lembremos que nossa alta burocracia é filha dessa mesma classe social. E é ciosa das suas prerrogativas de poder simbólico. FHC é reconhecido por ela como um dos seus. Um dos bons entre os bons. Prescindia do poder democrático, pode exercer o poder aristocrático desde a academia.

Lula, em relação a FHC, é o bom selvagem. Seria útil como um símbolo da nossa “cordialidade” e como símbolo deveria servir à burguesia esclarecida. Ousou governar e obteve sucesso. Mas não saberia ainda mandar, nem teve seu direito ao mando reconhecido como válido. Lula levou o brasileiro cordial a uma crise de identidade.

De que círculos recrutaria os escudeiros dos quais britanicamente trata o professor André Araújo?

Lula foi engolido, com o perdão do duplo sentido. E está entalado na garganta da burguesia para ser cuspido.

O poder de Lula é o democrático, mas, no Brasil, ainda vale o mando por direito divino e hereditário. Ainda não somos um país democrático, na essência do termo – do povo, para o povo e pelo povo. De certo modo, Dom Pedro II jamais deixou o Palácio Imperial do nosso imaginário e estamos permanentemente à espera de sua volta travestido do salvador da pátria – somos monarquistas e sebastianista. Não somos um país republicano.

Sua majestade, Dom Fernando Henrique – o príncipe dos sociólogos. Soa adequado aos nossos ouvidos. Vá, agora, formar a mesma frase com Lula.

Ocorre que na democracia, inclusive em nossa jovem democracia, um homem vale um voto e essa é, por enquanto, a melhor condição de igualdade que conseguimos construir. Do instante em que nascemos ao que morremos e por toda a vida, imperam as diferenças sociais, exceto no momento do voto secreto e universal. Diante da urna, todos estamos nus. E o povo escolheu Lula, se identificou com Lula, elegeu Lula e o reelegeu mais três vezes. Independente do poder da burguesia, mas sem sua aquiescência ou colaboração.

A Folha de São Paulo caracterizou essa burguesia quando caracterizou os que pediam o impeachment de uma presidente democraticamente eleita: homem (61%), tem 51 anos ou mais (40%), cursou o ensino superior (76%), se declara branca (75%) e tem renda familiar mensal entre R$ 7.881 e R$ 15.760 (25,17%).

Eram esses os que Lula deveria manter sob rédea curta. Mas esses são os que mandam e sempre mandaram no Brasil. E Lula não é um deles.

Lula é um sem juízo. 

PS: parte da esquerda, e uma parte não pequena, necessariamente, tampouco escapou da ideia de Lula como o bom selvagem útil, mas a ser tutelado. Os rancores de Hélios Bicudos e Ferreiras Gullares teriam que motivação? Veem Lula com um líder a ser seguido?
Postar um comentário