LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Sobre desigualdade salarial entre homens e mulheres e o colunista economicamente analfabeto da Veja




Por Tammy Almeida*, via Medium.com

Eis que a batalha feminista da semana é com o colunista da Veja, Leandro Narloch, dizendo que as mulheres ganham menos porque escolhem profissões “de mulher”. O universo feminista, como de hábito, explodiu e ele fez uma mea culpa, resultando num desastre argumentativo nada inovador.

Numa tentativa maliciosa, como é de hábito nos colunistas da Veja, Narloch finge que a desigualdade salarial de gênero é, na verdade, culpa das mulheres que não escolhem as profissões “de homem”, as quais pagam melhor, por uma questão de oferta e demanda. Que novidade, um homem branco, burguês, conservador, argumentando que nossos problemas não existem e, se existirem, são causados por nós mesmas, não pelo sistema produtivo ineficiente em que vivemos.

Sua completa incapacidade de interpretar o mundo em que vive é evidente, apesar de sua formação em Humanas — essa área tão inundada por mulheres e desprezada, em detrimento das Exatas, a área que contempla “as necessidades da sociedade” -, então vamos ajudá-lo.

Não, mulheres não ganham menos porque escolhem profissões consideradas femininas, ou sem perigo de morte, ou porque se aposentam para ir ao shopping com as amigas. Entre todas as causas deste fato, a principal é: mulheres ganham menos porque foram inseridas no sistema produtivo de modo inferior e isso influencia diretamente na profissão que escolhemos exercer — isto é, para aquelas de nós que podem escolher.

As falhas no artigo da Veja não param por aí. Narloch cita alguns estudos que não levam o nível de desenvolvimento de cada país em consideração. Neles, meritocracia é o nome do jogo: mulheres produzem menos e por isso ganham menos — e se levarmos em conta a questão racial teremos mais desigualdade ainda.

Sim, somos menos produtivas porque tivemos habilidades específicas — de menina — encorajadas e desenvolvidas desde a infância. Ou é super comum meninas ganharem videogames, que estimulam lógica e raciocínio rápido, ao invés de fogãozinho e boneca, que estimulam… não sei, estimulam alguma habilidade cognitiva?

Comum mesmo é sermos ensinadas a nos “valorizar” (leia-se, enclausurar) para ganhar respeito e a não ceder ao primeiro cara que encontrarmos pela frente, enquanto, na via oposta, quanto mais meninas ele pegar, mais bem visto entre seus amigos e familiares vai ser.

Historicamente, somos menos incentivadas a ter uma atitude competitiva como aquela exigida pelo mercado de trabalho. Os meninos da minha geração aprendiam a formatar seus computadores para poderem rodar seus jogos de tiro e faziam aulas para aprender a tocar instrumentos numa bandinha cover de Legião Urbana. Nós, meninas, éramos enviadas para aulas de balé e líamos revistas que nos ensinavam como agradar o gatinho da oitava série.

Essa diferença de socialização gera mulheres menos produtivas, quando comparadas com os homens. Consequentemente, diminui a busca por nós no mercado de trabalho, o que reduz nossa capacidade de negociação e diminui nossos salários. Se nossa produtividade — ou taxa de exploração — é menor, não é interessante uma empresa formada apenas por mulheres, ao contrário do que dizem algumas argumentações rasteiras por aí.

Este mecanismo é bem aproveitado pelo capital, em sua luta contra o trabalho: desde a inclusão da mulher no mercado, cumprimos o papel de mão de obra excedente, diminuindo os salários de todos os trabalhadores, não importando seu gênero.

Claro, existem exceções. As mulheres CEO, empresárias bem-sucedidas.

Já reparou que elas costumam ter qualidades “de homens”, sendo ultracompetitivas, individualistas, pagando babás para cuidar de seus filhos enquanto elas crescem profissionalmente? Também não podem ser sentimentais. Isso é coisa de mulher.

Aos homens também nunca houve escolha. Foram, como gênero, empurrados nessa direção. Se no âmbito profissional tiverem qualquer característica considerada feminina ou qualquer resquício de comportamento que efetivamente, e não apenas no discurso, priorize sua vida pessoal, em detrimento de seu trabalho, serão considerados desmotivados, pouco comprometidos, serão alvo de chacota e machismos. Enfim, uns boiolas.

Além da socialização da mulher, existe ainda outro fator que justifica os salários reduzidos: a evolução das leis trabalhistas.

Qual empresa manteria um funcionário que não comparece no escritório por um período de até seis meses e ainda o remuneraria durante esse período? A licença maternidade, por exemplo, entre outros direitos garantidos pelo Estado, não vem sem um ônus. Existe uma pressão negativa nos valores de salários ao longo de toda a vida produtiva da mulher, fruto da preferência por homens nas contratações.

Porém afastem-se, reaças e liberais. Este não é um argumento contra as leis trabalhistas. Todas as conquistas de todas as lutas dos trabalhadores ao longo da história são imprescindíveis e devem ser comemoradas, mantidas e expandidas.

O ponto aqui levantado é uma mera análise do estado das coisas e seu impacto na desigualdade da mulher em relação ao homem. Não é com a lógica da oferta e demanda que superaremos este problema, mas sim com uma nova lógica: a da igualdade incondicional, que tenha como premissa o bem-estar humano — e sim, isso inclui as mulheres! — acima da simples produção de mercadorias para troca.

Sob essa perspectiva, precisamos parar de reproduzir o discurso “mulheres ganham menos porque nasceram mulheres”. O que deveríamos fazer? Nascer homens?

Podemos afirmar que existem, sim, empresas que discriminam salarialmente mulheres e homens, apesar de ambos terem capacitações similares e exercerem uma mesma função.

Mas em uma relação de mão dupla ou, em outras palavras, dialética, a produtividade inferior das mulheres gera salários menores. A sociedade, ao observar esse fato e não compreender sua origem, equivocadamente conclui que mulheres devem ganhar menos porque sempre foi assim. E está criado o preconceito. É uma lógica que se retroalimenta e se perpetua.

A questão final é: por que somos socializadas com inferioridade? Que tipo de arbitrariedade é essa que coloca um gênero abaixo de outro desde seu nascimento? É essa a questão toda que permeia o feminismo em si, a depreciação de um gênero em detrimento de outro. Existe um fundamento socioeconômico que deve ser o ponto de partida para a solução, além do simples sexismo.

A evolução das relações de produção deveria estar presente com mais frequência nas discussões feministas. Sua ausência faz com que ideias fixas sejam repetidas exaustivamente, atrapalhando e às vezes até inviabilizando o avanço do debate.

Dizer que atualmente as mulheres já podem ser o que querem é bonito, mas não é real, enquanto pais e mães limitam as capacidades e intelectos de seus filhos de acordo com seu gênero. Só após mudarmos isso poderemos falar em liberdade de escolha profissional para mulheres e, por que não, homens. Até lá, seremos continuamente obrigadas a correr duas vezes mais para tentar ser a exceção.

Essa solução, no entanto, não significa muito sem uma reformulação do sistema produtivo. Quem vive com um salário mínimo está longe de poder dividir tarefas e ter relações realmente balanceadas, tendo de trabalhar com cargas horárias absurdas, criar seus filhos como for possível e sobreviver para continuar tudo de novo no dia seguinte… Mas sobre isso, desconfio que Narloch saiba menos ainda.

*Em colaboração com Thiago Almeida.

Postar um comentário