LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

O outro lado das gravações do filho do Cerveró que a grande mídia não vai mostrar


A Lava Jato não vaza somente para a imprensa, vaza também para banqueiros. Gilmar Mendes e Dias Toffoli são citados na gravação. E o senador Romário, segundo Delcídio, apoiaria o candidato de Paes para esconder a conta na Suíça.

Por Emanuel Cancella, via APN

É fundamental que as redes sociais divulguem trechos da gravação de Bernardo Cerveró, filho do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró. Nessa reunião, no último dia 4, em Brasília, participaram Bernardo Cerveró e o advogado de Nestor Cerveró, Edson Ribeiro, bem como o senador Delcídio do Amaral e seu chefe de gabinete, Diogo Ferreira.
Na gravação, o senador se referiu ao banqueiro André Esteves, do BTG Pactual, como "quem entraria com a grana" para financiar a fuga do ex-diretor da Petrobras. O parlamentar e o banqueiro foram presos, na manhã de quarta-feira (25).
O jornal Valor Econômico, de 25/1, publicou: “Acesso de Esteves à delação revela perigoso canal de vazamento. (...) - Essa informação revela a existência de perigoso canal de vazamento, cuja amplitude não se conhece: constitui genuíno mistério que um documento que estava guardado em ambiente prisional em Curitiba, com incidência de sigilo, tenha chegado às mãos de um banqueiro privado em São Paulo” - observa o procurador-geral da República Rodrigo Janot.

O vazamento das delações premiadas da Lava Jato para a imprensa, principalmente para O Globo,  já era questionado pelos juristas. Agora se revela o vazamento das delações da Lava Jato também para banqueiro. Vale lembrar que o banqueiro citado ofereceu um “mensalão” de R$ 50 mil por mês em troca do silêncio de Cerveró. E a Lava Jato, em troca do vazamento das delações para o banqueiro, teria recebido o quê?

Gilmar Mendes e Dias Toffoli também  são citados na gravação

A página do Pragmatismo Político, edição de 25/11/15, às 16h39, publica: “ No áudio, o senador expõe proposta a filho de Cerveró e cita os ministros do STF que poderiam ajudá-lo. Mencionando os nomes de Gilmar Mendes e Dias Toffoli”. – Desafio a rede Globo a divulgar essa informação.

Em discurso no STF, a vice-presidente, ministra Cármen Lúcia, afirmou que, “com o mensalão, o cinismo venceu a esperança”, e apontou que “o crime não vai vencer a Justiça”. É um discurso com tom indisfarçavelmente político, que alimenta o “anti-petismo”, não por acaso.

É preciso lembrar à ministra Carmem Lúcia que o mensalão tucano, anterior ao do PT, não foi julgado e já está prescrevendo. Quanto ao ministro Gilmar Mendes, citado na gravação, não seria a primeira vez que ele é visualizado, como disse a ministra, “em águas turvas”, pois foi Gilmar Mendes que deu, em 24 horas, dois habeas corpus para livrar o banqueiro Daniel Dantas; e mandou soltar o médico estuprador, Roger Abdelmassih, condenado a 278 anos, que depois fugiu e vive nababescamente no exterior.

A gravação também insinua sobre uma certa conta na Suíça, que teria resultado num  acordo entre o prefeito do Rio Eduardo Paes e o senador Romário, conforme publico em O Dia, em /11: “Em troca (do silêncio), o ex-jogador apoiaria Pedro Paulo Carvalho Teixeira à Prefeitura do Rio nas eleições municipais do ano que vem. (...)”.

Em julho deste ano, a revista Veja publicou que Romário tinha conta não declarada na Suíça. O ex-jogador foi então a Genebra e divulgou declaração do Banco BSI que negava a existência da tal conta.(...)

Mas, desde julho de 2014 o BSI pertence ao Banco BTG Pactual, de André Esteves, o banqueiro preso no mesmo dia que o senador Delcídio. Um detalhe: Guilherme da Costa Paes é irmão do prefeito do Rio e diretor do BTG Pactual.” – ou seja, isso tem cheiro de tramóia.

Delcídio está preso. Mas o que vai acontecer com a Lava Jato, os ministros do STF citados na gravação, o prefeito do Rio Eduardo Paes e o senador Romário?

Como diria o velho e sábio Stanislaw Ponte Preta: “ou restaure-se a moralidade ou locupletemo-nos todos!”.


Fonte: Emanuel Cancella é coordenador do Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ) e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) – Agência Petroleira de Notícias
Postar um comentário