LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

sábado, 19 de dezembro de 2015

SOCIALISTA MORENA: AOS MEUS LEITORES

("Te amo, vida!")
(“Te amo, vida!”)

Por Cynara Menezes, via Socialista Morena

Em primeiro lugar, quero agradecer a vocês pela confiança e pelo carinho. Posso dizer com toda certeza que este primeiro ano de independência do blog foi o mais gratificante da minha já longa carreira de jornalista. O que mais me impressionou: leitores dizendo “obrigado” por alguma reportagem do Socialista Morena que acharam bacana, que lhes acrescentou algo. Nunca imaginei que isso pudesse acontecer no jornalismo. Nas redações, a única coisa que chega a nós são as críticas pelos erros que porventura cometemos. Saber que algum texto significou satisfação e mais conhecimento para alguém faz tudo valer a pena. Obrigada.

2015 foi, porém, um ano paradoxal para mim. Tive muita satisfação profissional, mas ao mesmo tempo sofri três perdas profundas no âmbito pessoal; passei o ano me defendendo da acusação de ganhar dinheiro público enquanto via minha conta bancária no vermelho e dependia de empréstimos para sobreviver. Coisas da vida. O que permanece intacta em mim é a certeza de estar no caminho certo, do lado certo. Escrevo a vocês para contar sobre meus planos para 2016 e pedir seu apoio, fundamental, para que eles se concretizem.
 
Como vocês sabem, a imprensa brasileira está falindo. Todo este tempo tenho alertado a esquerda para a necessidade de aproveitar a crise para criar um veículo nosso, sem esperar por uma lei de meios que não acredito que virá. O modelo de jornalismo mantido por milhões em publicidade já era – taí a Lava-Jato que não me deixa mentir: quase todas as empresas envolvidas também eram grandes anunciantes da mídia hegemônica. Para que uma empresa vai gastar em um anúncio de jornal se pode simplesmente criar um meme ou vídeo que vai bombar nas redes sociais de graça?

O modelo de mídia do século 21 resgata o que já foi no passado: é o leitor quem mantém o veículo, não o anunciante. Mas como os jornais e revistas pretendem que aconteça essa remuneração pelo leitor? Colocando “paywall” nas reportagens online, ou seja, cobrando pelo conteúdo. Não acredito nesta concepção. Quando é barrado pelo paywall, o leitor simplesmente busca conteúdo similar em outras páginas, grátis. Ou recorre a sites que “pirateiam” o link, que abrem mesmo sem pagamento. Impossível tentar censurar no mundo da internet.

O modelo que eu e muitos sites de esquerda no mundo propomos é distinto. O conteúdo continua livre para todos e a pessoa assina o site porque acredita nele e quer que continue existindo. É a completa subversão do modelo capitalista da mídia hegemônica.

Em vez de pagar/assinar para ler, você paga/assina/doa porque sente identificação com o veículo. O site/blog/portal representa você, seu pensamento, e você quer que ele espalhe para mais gente os conteúdos de qualidade em que você acredita, realizando um dos princípios básicos do jornalismo, esquecido pela mídia convencional: disseminar conhecimento. Com um detalhe, tudo é feito de forma transparente; toda e qualquer mudança é comunicada ao leitor, como um coletivo. É isso que eu proponho com o Socialista Morena.

Existem várias possibilidades para o futuro do blog. Só depende de você:

1. Atualmente o Socialista Morena tem cerca de 800 assinantes mensais. É preciso chegar aos 2 mil assinantes mensais (1% dos seguidores da página no Facebook) para que eu possa pagar minhas contas e o blog continue a existir. Com este número de assinantes, o futuro do blog, desta forma básica, está garantido. Importante: o valor sugerido é 5 reais, mas, se você achar que tem condições, pode contribuir com quanto quiser (sei que o Paypal é um saco, mas por enquanto não encontrei outra maneira prática de fazer a assinatura; quando tiver, mudarei. A assinatura também pode ser feita pela Caixa Econômica Federal, que aceita programar os depósitos mensalmente. Para mim é melhor porque assim eu não pago a taxa absurda que o Paypal cobra);

2. Se o blog chegar a 4 mil assinantes mensais, tenho a possibilidade de contratar mais um jornalista para aumentar o número de postagens e alimentar a página do Socialista Morena no face com mais conteúdo exclusivo;

3. Se o blog chegar a 6 mil assinantes mensais, posso contratar também um designer para trabalhar exclusivamente para o Socialista Morena;
 
4. Se o blog chegar a 10 mil assinantes mensais, posso pensar em ter uma redação própria com uma pequena equipe trabalhando; aí o blog “desce” e vira um espaço mais pessoal dentro de uma estrutura maior, a revista Bolívar, com visual arrojado, conteúdo de alta qualidade e viés de esquerda. A primeira etapa é colocar o projeto no papel. Já está todinho na minha cabeça: uma revolução jornalística, com novas editorias, tudo novo;
 
5. Se a revista Bolívar chegar a 20 mil assinantes mensais, poderá ter cada vez mais reportagens exclusivas e colunistas de primeira, todos remunerados, claro. E o que é melhor: sem anúncios que poluem o visual;

6. Se a revista Bolívar chegar a 100 mil assinantes mensais, o céu é o limite; podemos ter rádio, TV e conteúdo escrito, tudo exclusivo;
 
7. Esta meta pode ser conquistada também pela assinatura anual: se todos os meus seguidores no Facebook fizessem a assinatura (10 reais por ano!), a revista Bolívar poderia nascer imediatamente.

Sempre reclamamos que meia dúzia de famílias detém a maioria dos meios de comunicação hegemônicos no Brasil. Pois eu digo a vocês que é possível construir um meio de comunicação novo apenas com as nossas mãos. Sem herança. Sem sobrenome. Um veículo de comunicação de mal nascidos para mal nascidos. Topam?
Postar um comentário