LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

sábado, 19 de março de 2016

As unhas autoritárias já estão de fora

inquis

Por Fernando Brito, em seu blog
Dois acontecimentos mostram os sinais do arreganho autoritário da corporação judicial e parajudicial.
Ontem, o Juiz Euler Jansen, de João Pessoa, exigiu a cópia do áudio  onde um comentarista  da CBN de João Pessoa – o professor José Henrique Artigas de Godoy, da Universidade Federal da Paraíba – onde eram feitas críticas à atuação do juiz Sérgio Moro para  “tomar providências cabíveis e legais”.
A providência cabível e legal é Sua Excelência abrir a Constituição brasileira e ler o seu artigo de número 5, sobre as liberdades públicas e individuais.
E os promotores (também de comícios, como se viu ontem) da Lava Jato acusaram o site jurídico Conjur de estar plantando notícia  que “insere-se na estratégia de confundir a opinião pública, criando factoides sem qualquer fundamento“.
A notícia é totalmente procedente e sua veracidade é confirmada pela própria resposta do MP, que diz que escutou durante um mês o telefone do escritório dos advogados de Lula por usar um engano reproduzido na internet que o identificava como sendo do Instituto Lula. Aliás, eles dizem que foi até muito bom, porque para eles o advogado Roberto Teixeira “é investigado e não propriamente advogado“, porque atuou na sua profissão no contrato de compra do sítio em Atibaia para Fernando Bittar e Jonas Suassuna.
Como se vê, temos agora – depois da elevação de suas excelências a deuses – os crimes de blasfêmia e de heresia, quando alguém os critica ou aponta erros.
Falta apenas a instituição da fogueira como mecanismo de incineração dos que não os veneram.
Mas não demora.