LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

sexta-feira, 8 de abril de 2016

A obsessão golpista de Janot



Por Weden Alves

A OBSESSÃO DE JANOT

Durante dois anos e meio o único objetivo de Rodrigo Janot foi derrubar Dilma e inviabilizar Lula. A Lava-Jato foi só pretexto. Caiu a última máscara de atuação isenta quando foi revelado que ele teve conhecimento do grampo criminoso contra a Presidência e consentiu a sua divulgação com o objetivo se convulsionar o país.

Agora tenta usar a gravação para incriminar Dilma. Mas outras máscaras já haviam caído:

1. Quando os seus comandados em Curitiba admitiram que não se interessariam por qualquer investigação que não fosse contra os governos do PT.

2. Quando ignorou todas as denúncias contra Aécio, e na única em que aceitou abrir investigação - em sigilo - pediu arquivamento sem sequer ouvir a testemunha chave.

3. Quando, ao contrário, investiu sem o mesmo cuidado contra Lula em jurisdições que não cabiam à República de Curitiba.

4. Quando fez corpo mole em relação a Eduardo Cunha fingindo investigá-lo.

5. Quando os seus comandados recusaram os acordos de leniência com o objetivo de sabotagem econômica.

6. Quando vazou a delação de Delcidio, que se mostrou "frágil", em versão adulterada para a Istoé antes e depois da tentativa de sequestro de Lula.

7. Quando seus comandados pediram o sequestro de Lula em conluio com Sérgio Moro.

8. Quando troca informações sigilosas com o Departamento de Justiça americano sobre estatais brasileiras e viagens de Lula, informações advindas de serviços secretos.

9. Quando permite militância explícita dos seus comandados.

Ontem tentou mais uma cartada com o objetivo de fortalecer a tese golpista da OAB - que alega tentativa de obstrução de justiça por parte de Dilma - a partir de uma gravação já considerada ilícita e condenada pelo STF.

Pesa contra Janot o fato de ter chegado à PGR depois de ter investido em uma campanha "eleitoral" endinheirada.

Mais uma das consequências da estupidez do PT em abdicar do direito constitucional de escolher o procurador geral. Detalhe: pela terceira vez, mesmo sabendo que deu errado nas duas primeiras.
Postar um comentário