LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

terça-feira, 3 de maio de 2016

Washington lança o seu ataque contra BRICS, por Paul Craig Roberts

Resultado de imagem para obama sorrindo

Artigo de Paul Craig Roberts (para quem não conhece, conservador, escreve no Wall Street Journal e foi Secretário Assistente do Tesouro no governo Reagan)

Por Dr. Paul Craig Roberts
Tendo removido a presidente reformista da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, Washington agora se livra da presidente reformista do Brasil, Dilma Rousseff.

Washington usou um juiz federal para pedir a Argentina para sacrificar seu programa de reestruturação da dívida, a fim de pagar para os fundos abutre americanos o valor total de títulos argentinos que os fundos abutre tinham comprado por alguns tostões sobre o dólar.

Estes abutres foram chamados de “credores” que tinham feito “empréstimos”, independentemente do fato de que eles não eram credores e não tinha feito nenhum empréstimo. Eles eram oportunistas atrás de dinheiro fácil e foram usados por Washington para se livrar de um governo reformista.
A Presidente Kirchner resistiu e, por isso, ela teve que ir. Washington inventou uma história que Kirchner encobriu um suposto ataque a bomba iraniano em Buenos Aires em 1994. Esta fantasia implausível, para o qual não há nenhuma evidência de envolvimento iraniano, foi alimentado a um dos agentes de Washington no escritório do procurador do Estado, e um evento duvidoso de 22 anos atrás foi usado para tirar Cristina Kirchner do caminho do saque americano da Argentina.
No Brasil, Washington usou insinuações de corrupção para obter a cassação da presidente Dilma Rousseff pela Câmara. Evidências não são necessárias, apenas alegações. Não são muito diferentes de “armas nucleares iranianas”, “armas de destruição em massa”, de Saddam Hussein “uso de armas químicas,” de Assad ou, no caso de Dilma, meramente insinuações. O Secretário-Geral da Organização dos Estados Americanos, Luís Almagro, observa que Rousseff “não foi acusada de nada.” As elites apoiadas pelos americanos estão simplesmente usando o impeachment para remover um presidente que eles não podem derrotar eleitoralmente.
Em suma, este é o movimento de Washington contra os BRICS. Washington está se movendo para colocar no poder político um partido de direita que Washington controle, a fim de encerrar as crescentes relações do Brasil com a China e a Rússia.
A grande ironia é que o projeto de impeachment foi presidido pelo presidente corrupto da câmara inferior, Eduardo Cunha, que recentemente descobriu-se ter escondido milhões de dólares em contas bancárias suíças secretas (talvez o seu pay-off de Washington) e que mentiu sob juramento quando negou ter contas bancárias estrangeiras. Você pode ler a história sórdida aqui:

Kirchner e “crimes” de Dilma são os seus esforços para que os governos da Argentina e do Brasil representam a Argentina e os povos brasileiros, em vez das elites e Wall Street. Em Washington estes são crimes graves, e Washington usa as elites para controlar os países da América do Sul. Sempre que os latino-americanos elegem um governo que os representa, Washington derruba o governo ou assassina o presidente.
Washington está perto fazer a Venezuela voltar para o controle da elite espanhola aliado com Washington.

Os presidentes do Equador e da Bolívia também são alvos. Uma das razões pelas quais Washington não permitirá que seu cãozinho britânico honre o asilo do Equador concedido a Julian Assange, é que Washington espera ter seu próprio agente de volta como presidente do Equador, em que o asilo de Assange será revogada.
Washington sempre bloqueou reformas na América Latina. Povos latino-americanos continuarão a ser servos americanos até que eles elejam governos por uma tal maioria que os governos possam exilar as elites traidores, fechar as embaixadas dos EUA, e expulsar todas as empresas americanas. Cada país latino-americano que tem uma presença americana não tem outro futuro além da servidão.