LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

domingo, 12 de junho de 2016

Drops político para reflexão: As reformas que o PT precisava ter feito e não fez.


Por Cid Benjamim, via Blog Raelpolitk

Dilma, em tom de autocrítica: “Meu maior erro foi ter feito uma aliança com quem eu não devia".


É simplista a explicação.


Esperava-se do PT cinco reformas fundamentais:

a) Reforma agrária, para democratizar o acesso à terra.

b) Reforma política, para melhorar a representação e diminuir o peso do poder econômico.

c) Reforma tributária, para fazer com que caísse sobre os mais ricos a maior carga de impostos.

d) Democratização dos meios de comunicação, para quebrar o monopólio privado da mídia.

e) Uma política econômica que deixasse de privilegiar o sistema financeiro e os rentistas e baixasse os juros de forma drástica.

A opção do PT por não fazer reformas estruturais é que o levou a se aliar com as velhas oligarquias, e não o contrário. Para ficar em reformetas de maquiagem, não era preciso politizar a sociedade. Bastava sentar-se no colo do PMDB.

Claro que houve ilusões de classe, ao não acreditar lhe seria puxado o tapete, quando a crise apareceu e as classes dominantes resolveram que aos trabalhadores seriam exigidos sacrifícios ainda maiores do que aqueles que o PT lhes enfiava pela goela.

Mas isso foi consequência. A opção de se aliar com o Centrão e não de mobilizar os trabalhadores é consequência dos horizontes mesquinhos que escolheu. As manifestações de denúncia do golpe demonstram que havia farto espaço para buscar apoio na sociedade se fossem feitas reformas.

É um pouco como PT e PCdoB do Rio que, depois de mais de uma década de subordinação ao PMDB, só se descolaram dele depois do golpe. Até então, apoiaram acriticamente a política antipopular de Cabral, Pezão e Paes sem reclamar. Suas bancadas sustentaram integralmente o que exigia a máfia peemedebista. Chegaram a votar a favor da concessão da Medalha Tiradentes a Eduardo Cunha no ano passado. E nem agora se vê uma autocrítica desse papelão, por tímida que seja.

Cid Benjamim é jornalista.