LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Quantas empresas (e bancos) o Moro quebrou? O número de recuperações judiciais dobrou em cinco meses. Precisa desenhar?

MGM.jpg

Em nenhum lugar do mundo haveria um Moro, o Torre de Londres, um juiz que julgasse tudo!
Em nenhum lugar do mundo existiria uma Vara como a de Curitiba, que pratica o vazamento despudoradamente e quebra empresas e reputações ANTES de que o acusado saiba da acusação!
O jornal nacional sabe antes que o advogado do “ladrão“!
Em nenhum lugar do mundo um juizeco de província poderia quebrar uma empresa, onde - a provar-se! - teria havido corrupção, antes que a Justiça se pronunciasse irrecorrivelmente.
Em nenhum lugar do mundo, um juizeco e a Globo teriam o poder de destruir o parque industrial pesado do país, com seu acervo de conhecimento da tecnologia nuclear – em nome do combate à corrupção e para prender o Lula!
A Lava Jato está próxima do fim de suas atividades, nas diversas arenas de seu do circo mediático: com a delação (selecionadíssima) do Marcelo Odebrecht e a prisão do Lula (e da Dilma, logo após, segundo a bomba Caramuru do Merval! Quá, quá, quá!)
Quer prender os ladrões?

Prende!

Mas não quebra as empresas e os bancos que as financiaram!
Por que os Procuradores que falam no wi-fi de Deus, aqueles Procuradores verticais combatem tanto os acordos leniência?
Porque não está em pauta fazer Justiça – mas, quebrar o Brasil (do Lula e da Dilma)!
O economista Paulo Leme, presidente do banco Goldman Sachs no Brasil, haveria de concordar com tudo o que acima se diz.
Ele viveu muitos anos nos Estados Unidos, a serviço do GS – um dos mais ativos na roubalheira dos derivativos que resultou no crash de 2008…
Ali, Leme combateu Lula com a fúria dos ventos que batem em Wall Street no inverno!
Agora, mais maduro e com mais responsabilidade, medita sobre o tamanho do rombo que o Moro praticou – em nome do Golpe!
O Brasil vive uma crise de insolvência – ou em Português claro: o Moro quebrou o Brasil.
As empresas e os bancos!
E cadê os acordos de leniência, o Chapter 11 americano?
Não interessa!

Dane-se o Brasil!

Leme, você deveria ter ido para a Argentina!
Leia trechos da entrevista que deu a Alexa Salomão e Ricardo Grinbaum, do Estadão, ele próprio em comatoso estado.