LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

TRUMP E A DEMOCRACIA MADE IN USA

Donald Trump vence as eleições dos Estados Unidos

Por Itárcio Ferreira, em seu blog

Trump é igual a Hillary, que é igual a Obama, que é igual a Bush que é igual a toda quadrilha. Quem não rezar pela cartilha de Wall Street e do complexo industrial militar é convidado a sair de cena. Lembram de Kennedy? Aquele mesmo que apoiou e financiou o golpe fascista de 1º de abril de 1964. Obama, honrando a tradição, apoiou e financiou o golpe de Temer et caterva.

Donald Trump foi eleito ontem, 08/11/2016, presidente dos EUA, a maior potência bélica do mundo. O país mais agressivo e carniceiro da história mundial. A democracia made in USA mostra a sua verdadeira face: a viagem rumo ao fascismo. O capitalismo não é compatível com a verdadeira democracia.

Hitler, Mussolini e Temer não chegaram ao poder através do voto popular, o que é uma contradição aos princípios da chamada democracia ocidental ou estadunidense, “todo poder emana do povo”. Mas sim através de manobras escusas, ilegais e inconstitucionais, através de golpes, apoiados em instituições republicanas corroídas, acovardadas, cooptadas, a grande mídia, grandes empresários, etc. Trump chegou lá através do voto. Este fato é um marco  na história do colapso de um modelo falido de democracia representativa.

Seria a eleição de Trump um sinal de que este modelo se esgotou? Claro que não. Este sinal está aí faz tempo, só não enxerga quem não quer sair da caixinha, por interesse ou alienação. É que agora a coisa ficou clara, desenhada. Ninguém, a não ser com muita má-fé ou muito interesse vai negar tal marco histórico.

Não só nos EUA, que já elegeu outros Trumps, a exemplo de Reagan, Bush e Obama, mas também no Brasil, a exemplo de Collor e FHC II, o poder econômico é quem determina, no lugar do povo, para onde o pêndulo da vitória deve indicar o movimento não alternado.

A diferença entre Trump e Reagan, Bush, Obama, Collor, FHC II, Temer é o discurso. Trump diz tudo o que pensa, nem tem papas na língua e sabe que muitos ouvidos estão ansiosos por suas palavras, os outros são hipócritas, mas tão ou mais canalhas. Trump não se preocupa com as críticas de ninguém a sua verborragia fascista, racista, xenófoba, misógina. O seu discurso encontra um leito macio preparado na população que foi inflamada pelo ódio através de uma mídia canalha e monopolista, cá e lá. Quem acha que a mídia dos EUA é plural, se engana. Lá como cá existem as Globos golpistas. Vamos ler mais Noam Chomsky.

Mas, fica a pergunta: existem outras formas de se exercer a democracia? Existem sim, com certeza. Algumas que até nós desconhecemos historicamente, pois, poucas e selecionadas informações nos são repassadas sobre os países que estão fora do eixo dos EUA, Europa ocidental e Israel. Cito dois exemplos: a Venezuela e a ex-Líbia. Mas tudo que vai de encontro ao pensamento único é demonizado pela grande mídia hegemônica e cristã a serviço do capital.

Tanto na Venezuela quanto na ex-Líbia os conselhos populares tinham, ou têm, vez e voz. Na Venezuela existem cinco poderes republicanos: Executivo, Legislativo, Judiciário, Ministério Público e Conselhos Populares; na ex-Líbia, destruída e saqueada pelos EUA, Inglaterra e França, que dividiram o butim, existiam centenas de conselhos ou mini-congressos que tinham a última palavra sobre qualquer assunto, sendo suas decisões soberanas inclusive para o ex-presidente Kadafi.

Por coincidência, as formas de democracia que fogem ao modelo estadunidense foram implantadas em países, ou ex-países, como a Líbia, inimigas da grande mídia e dos EUA e seus lacaios aliados: Inglaterra, França e a Arábia Saudita, está última a pior e mais cruel ditadura existente hoje no planeta e aliada do Grande Satã.

A eleição de Trump não muda nada, tanto nos EUA quanto no mundo. A população estadunidense continuará a empobrecer; continuará a não ter um sistema de saúde pública; continuará sem vez e sem voz e sempre a serviço de Waal Street. As guerras de saque continuarão a acontecer; a onda de ódio, junto com o crescimento do fascismo, continuarão a aumentar, até que um tsunami nos conduzam a uma guerra mundial: ocidente versus Rússia e China ou a um mundo distópico dos nossos piores pesadelos.

Quem mada nos EUA não é o presidente eleito ou o congresso, os chefões são Wall Street e o complexo industrial militar, ou seja, dinheiro, guerras e drogas, todos os outros atores são apenas paus mandados, ou como diz o jornalista Paulo Nogueira, do DCM, fâmulos.